Na Garagem: Mercedes anuncia Rosberg para retorno das Flechas de Prata à F1

Após romper com a McLaren e comprar a Brawn GP para voltar a ter uma equipe própria na F1, a Mercedes foi atrás de um alemão para carregar a estrela de três pontas: Nico Rosberg, então com 24 anos, que fizera quatro temporadas com a Williams

Foi há exatos seis anos que a Mercedes anunciou a contratação de Nico Rosberg para seu retorno com equipe de fábrica à F1.
 
A marca alemã teve seu próprio time na categoria na década de 1950, mas abandonou as corridas ao final de 1955 — o ano da maior tragédia da história do automobilismo, o acidente que matou mais de 80 nas 24 Horas de Le Mans.
 
Após retornar oficialmente como fornecedora de motores em 1994, com a Sauber, a montadora firmou uma parceria de sucesso com a McLaren em 1995. Foram três títulos de Pilotos, dois com Mika Häkkinen e um com Lewis Hamilton. Até que foi tomada a decisão de pôr as Flechas de Prata uma vez mais no grid.
Nico Rosberg foi anunciado pela Mercedes em 23 de novembro de 2009 (Foto: Mercedes)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Em novembro de 2009, já eram grandes os rumores de que Michael Schumacher seria um dos pilotos, mas as expectativas de muitos foram frustradas quando, no dia 23 de novembro, somente Rosberg foi apresentado. O filho de Keke Rosberg tinha 24 anos e havia passado as quatro primeiras temporadas na F1 na Williams. Não chegou a vencer, mas foi ao pódio duas vezes.

 
“Estou mais motivado do que nunca e mal posso esperar para começar a testar a nova Flecha de Prata e para correr pela primeira vez no Bahrein em março”, afirmou Rosberg.
 
Norbert Haug, então chefão de motorsport da Mercedes, defendeu a contratação de Rosberg, um piloto ligado à companhia desde os tempos de kart. “Ele impressionou bastante desde as primeiras corridas de kart que eu vi. Obviamente, nós ajudamos ele e o Lewis Hamilton naquela fase da carreira com a equipe de kart MBM — Mercedes-Benz McLaren”, disse Haug.
 
“Ele fez um trabalho excepcional com a Williams Toyota neste ano e fez corridas muito boas, como chegar em quarto largando em 15º em Nürburgring. Ele trouxe o carro até o fim com enorme frequência, sem cometer erros, mostrou boa velocidade nas classificações — e tudo isso está por trás da razão pela qual o contratamos”, completou.
 
Rosberg foi quem deu à Mercedes sua primeira vitória, no GP da China de 2012. Desde então, venceu outros 12 GPs, sendo o mais recente deles o GP do Brasil de 2015, e foi vice-campeão mundial em 2014 e em 2015.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube