Newey fala de portas fechadas para Red Bull entre fornecedores de motor e diz: “Provavelmente seremos forçados a sair”

Mago da aerodinâmica e um dos grandes pilares do sucesso da Red Bull no começo da década, Adrian Newey reforçou o discurso proferido por Christian Horner e Dietrich Mateschitz e disse que a equipe tetracampeã do mundo pode mesmo deixar a F1 se não receber motores verdadeiramente competitivos

Adrian Newey acredita que a Red Bull esteja próxima de ser forçada a sair da F1. Para o projetista, a falta de opções de fornecedores de motor está complicado a permanência do time austríaco na categoria na temporada 2016.
 
Newey mostrou pouco otimismo na permanência do time na F1 e, assim como Christian Horner, afirmou que a Mercedes e a Ferrari têm medo da Red Bull.
 
“Nós provavelmente vamos ser forçados a sair da F1. A Mercedes e a Ferrari já mostraram que não vão fornecer motores para a gente, estão com medo”, disse.
 
O britânico lembrou que a situação com a Renault também está bem complicada.
 
“Infelizmente, nosso relacionamento com a Renault também parece estar bem no final. Neste momento, estamos sem a menor perspectiva de ter um motor”, falou.
Adrian Newey afirmou que a Red Bull está sendo forçada a sair da F1 (Foto: Getty Images)
O projetista afirmou, também, que não acredita em muita melhora da Renault e voltou a dizer que só vale a pena para a Red Bull ficar na F1 se for para ser protagonista.
 
“É óbvio que precisa haver evolução, mas não sei se existe uma direção clara a ser seguida por eles. E a Red Bull precisa ter noção de que não pode ficar na F1 apenas para fazer número, precisamos de protagonismo”, completou.
 
A Red Bull faz um ano complicado. Daniil Kvyat é sétimo colocado com 76 pontos, enquanto Daniel Ricciardo é oitavo com 73.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube