Novato na F1, Leclerc ainda mostra surpresa e se assusta com volante: “Muitos botões. É loucura”

Charles Leclerc ainda não está acostumado com as novidades da F1. A potência, por exemplo, ou o enorme número de gente envolvida na operação. Mas, sobretudo, a quantidade de botões no volante

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Há muita expectativa pelo que Charles Leclerc fará na F1. Tido como um dos grandes talentos recentes a passar pelas categorias-satélite, Leclerc é piloto da academia de jovens da Ferrari e um dos favoritos a assumir o lugar de Kimi Räikkönen na escuderia do Cavallino Rampante. Mas, no presente, o monegasco apenas estreou na F1 pela Sauber. E ainda não se acostumou, por exemplo, com a quantidade de botões.

 
Leclerc destacou que a mudança da F2 para a F1 é muito grande, um impulso que faz o piloto precisar passar por todo um processo de aprendizado para administrar potência e pessoal. Acima de tudo, com a quantidade de botões para acionar no volante.
 
"Nas categorias-satélite, OK, você cresce, você tem mais potência e mais downforce. Fui capaz de ser rápido logo. Na F1, para ser honesto, há muitas coisas que são novas, muita gente ao seu redor e especialmente muitos botões – é loucura.  Ajuda quando você sabe o que fazer com esses botões, é tudo muito poderoso. O potencial para melhora nesse quesito é enorme e virá com a experiência", disse.
 
Leclerc terminou na 13ª colocação, à frente da Williams de Lance Stroll e da Toro Rosso de Brendon Hartley entre aqueles que terminaram a prova. O parceiro, Marcus Ericsson, abandonou a corrida na sexta volta. Na classificação, um dos pontos mais fortes de Leclerc, ele ficou apenas 0s1 atrás de Marcus.
Charles Leclerc (Foto: Sauber)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"A diferença não é realmente importante porque eu cometi um erro. Mas, no fim das contas, acontece. Ele provavelmente tinha algumas coisas para melhorar também, então é apenas como está no momento", lamentou.

 
"Vou tentar juntar tudo da próxima vez. [A classificação] foi um dos meus pontos fortes ano passado, na F2. Mas a F1 é um passo à frente muito grande. E, como eu disse, não fui ajudado pelas condições. Não consegui juntar tudo [de bom]", encerrou.
 
O GP do Bahrein é a próxima parada do Mundial de F1, exatamente no próximo dia 7 de abril.
"RIDÍCULO E LEVIANO"

AJUDA DELIBERADA DA HAAS À FERRARI? NÃO FAZ SENTIDO ALGUM

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube