Números se estabilizam, e F1 evita queda de audiência na TV pela primeira vez em seis temporadas

Foram seis anos seguidos apenas perdendo público, mas a F1 conseguiu se estabilizar. De acordo com dados divulgados pelo Liberty Media, a temporada 2016 repetiu os 400 milhões de audiência anotados em 2015

 
A animada disputa entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton pelo título da F1 teve bom impacto na TV. De acordo com números divulgados pelo Liberty Media – agora formalmente dono da F1 –, a audiência da categoria não registrou queda em 2016, repetindo os mesmos números alcançados em 2015. Assim, a categoria deixa para trás uma incômoda sequência de cinco temporadas anotando apenas perda de público – a última foi em 2010.
 
Somando o público global de todas as 21 corridas do ano, o Liberty Media concluiu que a audiência total da temporada ficou na casa dos 400 milhões – exatamente o mesmo número registrado em 2015.
 
As temporadas recentes já indicavam uma estabilização na audiência da F1. De 2013 para 2014, assim como de 2014 para 2015, a perda de público havia sido mais sutil do que a média.
Os números da F1 na TV se estabilizaram (Foto: Getty Images)
Mesmo conseguindo administrar a perda de público, os números da audiência seguem fracos. O público que acompanhou a F1 em 2016 representa apenas 66% do que acompanhou o mesmo campeonato em 2008. Perder 1/3 do público em menos de 10 anos é um golpe duro na popularidade do esporte.
 
Apesar da tendência apresentada pelos novos números, é difícil acreditar que a estabilidade dos números vá durar por muito mais tempo. No Reino Unido, por exemplo, a F1 vai passar a ser transmitida apenas por TV a cabo a partir de 2019. É um movimento que pode ser percebido ao redor do mundo – inclusive no Brasil. Neste caso, a audiência da categoria pode muito bem ficar mais restrita, sofrendo novos golpes.
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube