Pérez revela decepção com “ano de transição” da Racing Point: “Dói”

Acostumado a ser destaque no pelotão intermediário e frequentar os pódios, Sergio Pérez lamentou pela falta de performance ao longo da temporada 2019, a primeira completa da Racing Point após a aquisição da Force India. Antes de correr em casa, o mexicano não esconde que esperava mais

A temporada 2019 não vem sendo fácil para Sergio Pérez. O mexicano de 29 anos, que vai correr em casa neste fim de semana, foi, naturalmente, o mais requisitado para entrevistas na última quarta-feira (23). E não escondeu a decepção com o que chama de “ano de transição” da Racing Point após a equipe comprar a Force India no ano passado. ‘Checo’, que tem como melhor resultado neste ano um sexto lugar no GP da Bélgica, entende que esperava muito mais depois de ter sido o ‘melhor do resto’ em 2016 e 2017, além de fechar o campeonato do ano passado em oitavo. 
 
 
“Não está sendo o ideal”, afirmou o piloto nascido em Guadalajara. “Gostaria que tivéssemos mais pontos, estivéssemos lutando por melhores posições e evoluindo mais. Acho que a parte da decepção chega com a falta de melhora ao longo do ano. Acho que isso é algo que devemos estudar. De resto, talvez daria para esperar um pouco”, disse.
 
“Sabíamos que este ano seria de transição, mas dói”, acrescentou.
Ídolo mexicano, Sergio Pérez não escondeu a decepção com o ano da Racing Point (Foto: Racing Point)
Dono de oito pódios na carreira, Pérez vem alternando corridas sólidas ao longo de 2019 com outras em que passa quase despercebido. O mexicano lamenta sobretudo pelo fato de a Racing Point ter começado a temporada muito atrás. Mesmo com o forte aporte financeiro do novo proprietário, Lawrence Stroll, ‘Checo’ reconheceu que tem sido difícil recuperar a diferença para as rivais do meio do pelotão.
 
“Como digo, a falta de melhora está lá, somos conscientes disso, não é que não nos demos conta de que não melhoramos o bastante. Está aí, não podemos esconder, mas, como disse, em um ano de transição, em que você começa tão atrás, vai ser sempre complicado recuperar o atraso”, explicou.
 
No entanto, Pérez deixou claro que mantém sua confiança na capacidade da equipe no futuro. Recentemente, o piloto renovou seu contrato com a Racing Point até 2022, fato que chamou a atenção justamente pelo tempo de ampliação do seu vínculo.
 
“Definitivamente, os pódios são o objetivo, dar o passo seguinte. Há uma mudança enorme de regulamento para 2021, estão acontecendo muitas coisas, há muito trabalho em curso. Não vejo por que não podemos ser bem-sucedidos”, disse.
 
Por fim, ‘Checo’ falou sobre o fato de correr em casa ser um impulso a mais para fazer um bom fim de semana e dar uma alegria aos seus torcedores mesmo em um ano de mais baixos que altos na Fórmula 1.
 
“Preciso de uma motivação, incentivo para vir e sair daqui sabendo que a equipe e eu fizemos o melhor possível. Nos últimos anos fui o melhor do resto, de modo que tenho de manter essa motivação, tenho de ter um projeto que me motive a seguir”, concluiu.

Paddockast #38
CORRIDAS POLÊMICAS DA F1

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube