Pirelli vê problema particular da F1 com pneus no GP do Catar: “Categorias são diferentes”

De acordo com a Pirelli, o problema com os pneus não poderia ter sido descoberto antes, tampouco em outra categoria

As equipes da Fórmula 1 serão mesmo obrigadas a, no mínimo, três paradas para trocar pneus durante as 57 voltas previstas para o GP do Catar. Isso porque a separação da superfície da camada lateral do pneu da carcaça apresentou alto desgaste — o que, segundo comunicado oficial emitido pela Federação Internacional do Automobilismo (FIA), “um número significativo de voltas adicionais com estes compostos poderia resultar em danos circunferenciais dos pneus, com subsequente perda de ar”.

De acordo com a Pirelli, no entanto, o problema não poderia ter sido descoberto antes, tampouco em outra categoria. Segundo Mario Isola, chefe da marca italiana na F1, a questão com os carros da categoria foi particular e não necessariamente outras competições sofreriam a mesma coisa.

Relacionadas


:seta_para_frente: Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
:seta_para_frente:Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Desde 2011, a Pirelli é a fornecedora de pneus da Fórmula 1 (Foto: Carl Bingham/Pirelli/LAT Images)

“Cada campeonato é diferente”, explicou. “Por exemplo, no passado, tivemos alguns problemas com os carros GT, porque eles cortavam muito mais curvas do que os da F1. Talvez você pudesse organizar um evento internacional de GT [para testar], mas não encontra o mesmo problema. Portanto, não tenho certeza se organizar um evento internacional seja a maneira de resolver o problema”, continuou.

O novo asfalto do circuito de Lusail também gerou um problema com a aderência dos carros. Por isso, Max Verstappen foi bastante enfático ao dizer que corridas ou testes deveriam ser feitos antes da F1 chegar ao local e enfrentar essas questões com a etapa já acontecendo.

“Da próxima vez que entrarmos em uma situação como essa, não acho que a F1 deva ser a primeira a pilotar porque parece um pouco bobo”, disse Verstappen. “Porque já no TL1 os carros estavam deslizando e sem aderência… acho que é importante quando vamos para uma pista onde eles colocaram um novo asfalto que pelo menos já tenha sido usado um pouco”, concluiu.

Fórmula 1 volta entre os dias 20 e 22 de outubro, em Austin, com o GP dos Estados Unidos, o primeiro da última perna tripla da temporada. E o GRANDE PRÊMIO acompanha tudo.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.