F1

Prancheta GP: Mercedes dá passo atrás após descobrir fraqueza do W10: a tração

Na Rússia, a Mercedes decidiu adotar um um terceiro elemento mecânico dianteiro, um amortecedor de suspensão, em vez do hidráulico usado desde o início da temporada. A equipe prata precisou dar um passo para trás para conseguir anular um ponto fraco do W10. A análise é do jornalista italiano Paolo Filisetti para o GRANDE PRÊMIO

GRANDE PRÊMIO / PAOLO FILISETTI, de Sóchi
Nas duas primeiras sessões de treinos livres na Rússia, a Mercedes adotou um terceiro elemento mecânico dianteiro, um amortecedor de suspensão, em vez do hidráulico usado desde o início da temporada. Na verdade, trata-se de um terceiro amortecedor transversal com a função de controle de pitch e gerenciamento de altura de condução. Por isso, cumpre uma tarefa muito importante, e sua calibração e resposta às cargas aplicadas implica uma gestão diferente das transferências longitudinais de carga, entre a frente e a traseira, durante a frenagem e a aceleração. 
 
Em Singapura, esse elemento foi testado apenas por Valtteri Bottas no TL1 para avaliar sua eficácia especificamente nas entradas e saídas de curvas. A solução foi afastada, considerando a resposta na versão hidráulica como adequada.
 
Após a corrida, constatou-se que um dos pontos fortes do W10 em pistas de alta carga com curvas de raio reduzido, a tração, era na verdade uma de suas fraquezas mais óbvias. Embora se possa pensar que a adoção em Sochi do terceiro amortecedor mecânico (com as molas de Belleville) tenha sido vista como um teste-chave para 2020, é claro que isso é consequência dos problemas observados em Marina Bay. 
 
Esta solução aproxima a suspensão dianteira do W10 da do W08, que teve um melhor equilíbrio também em comparação com o W09 de 2018. Se lermos essa configuração como um retrocesso, não apenas pela questão de tempo, concluímos que, se a Mercedes havia aumentado o nível de desempenho no início do ano, destacando os limites da Ferrari SF90 que não eram óbvios nos testes de inverno, agora a Ferrari respondeu com um aumento de performance (inesperado) para descobrir as fraquezas desconhecidas do W10 em pistas onde deveria ter dominado.

Tanto é verdade que Charles Leclerc foi capaz de vencer as duas primeiras corridas após a pausa das férias de verão na Europa, os GPs da Bélgica e da Itália, enquanto Sebastian Vettel faturou a etapa em Singapura. Neste sábado, o monegasco ainda cravou a pole-position para a corrida em Sóchi, com uma vantagem de 0s4 para Lewis Hamilton, que larga em segundo. 
No desenho, o detalhe ampliado mostra o terceiro amortecedor mecânico adotado pela Mercedes em Sóchi, no lugar do habitual hidráulico (Ilustração: Paolo Filisetti)
A largada do GP da Rússia está marcada para 8h10 (horário de Brasília) deste domingo. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.
 

 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.