Räikkönen isenta Verstappen na disputa em Austin, mas pede maior clareza no regulamento da F1

Em choque de gerações, o veterano Kimi Räikkönen travou empolgante duelo com o jovial Max Verstappen no primeiro terço da prova e se mostrou até surpreso com a postura do piloto da Toro Rosso, vindo a reclamar via rádio para a Ferrari. Mas após a corrida, o finlandês esclareceu que a queixa não era contra Max, mas sim contra o próprio regulamento da F1

O GP dos Estados Unidos marcou mais uma grandíssima apresentação de Max Verstappen, o estreante do ano até o momento na temporada 2015 da F1. No primeiro terço da corrida em Austin, no último domingo (25), o piloto mais jovem da história do Mundial travou ótimas disputas com Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen pelo quarto lugar — que acabou por conquistar ao fim de 56 voltas no Texas. Em um verdadeiro duelo de gerações, Verstappen lutou com Räikkönen sem se intimidar com o fato de quem estava ao seu lado era simplesmente um campeão mundial a bordo do carro da Ferrari.
 
Kimi não se conformou e bradou via rádio: “Esse cara está me jogando para fora da pista o tempo todo. Se isso é legal, vou fazer o mesmo da próxima vez”, disparou.
Kimi deixou claro que não criticou Verstappen, apenas quer maior clareza ao regulamento da F1 (Foto: F1/Twitter)
Mas depois da corrida, Kimi, com a cabeça mais fria, falou que sua queixa, na verdade, se deve à falta de clareza do regulamento da F1 em situações de tal natureza.
 
“Eu só queria perguntar se estava tudo certo. Quando você está perto de outro carro, e ele tenta defender por dentro e você vai por fora, e em algum ponto, na saída da curva, você pode jogar o carro contra as zebras. Se isso é certo, quero saber se isso está ok, mas aparentemente sim. Está tudo certo. Se todo mundo se submete às mesmas regras, eu não me importo”, comentou o finlandês em Austin, que pediu à F1 a mesma postura sempre diante de situações similares.
 
“Há tantas regras nesses dias atuais de F1… existem regras que você não se deve mover na frenagem, que você deve dar espaço de um carro para outro cara quando ele estiver perto de você, não deixar qualquer espaço se você está acelerando lado a lado com outro cara. Está tudo certo”, declarou.
 
“Não me queixo de ele estar fazendo algo errado, mas desde que isso esteja certo sempre. Se for diferente da próxima vez, quando você faz com alguém a mesma coisa e for punido, isso não está certo. Não me queixo sobre o que ele fez desta vez, mas eles devem ser claros para todos nós para que possamos saber o que podemos ou não fazer. Acho que nos tocamos uma vez, só um pouco. Mas está tudo bem e isso é corrida, no fim das contas. Estava muito perto”, acrescentou Räikkönen.
 
Ao comentar sobre a corrida em si, que o nórdico não completou por problemas no duto de freio da sua Ferrari, Kimi lamentou pela falta de sorte e assumiu um erro cometido no começo da prova. 
 
“A primeira parte da corrida foi mais ou menos bem. O carro parecia muito bom o tempo inteiro, tive velocidade e estava lutando com os outros carros. Depois do pit-stop, cometi um erro, acelerei um pouco além da conta e escapei de traseira, então acabei indo contra a barreira de proteção. A parte dianteira do carro ficou enroscada na cartolina de publicidade, mas segui acelerando e consegui voltar à pista”, explicou.
 
“Tive um furo no meu pneu traseiro esquerdo e também danifiquei a parte dianteira direita. Trocamos a asa dianteira e o carro estava bem, mas o duto de freio estava danificado e os freios estavam superaquecendo, então tive de abandonar”, justificou o veterano, que só quer um pouco mais de sorte na parte final da temporada.
 
“Não é muito legal quando uma corrida termina assim. Temos as ferramentas adequadas, mas temos de juntar tudo, não cometer erros e conquistar um resultado adequado”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube