Räikkönen quase livre para beber e 5 sequer vivos: o grid atual no último GP de Portugal

O GP de Portugal volta a receber a Fórmula 1 após 24 anos no próximo final de semana. E tem gente do grid atual da categoria que sequer tinha nascido então

O último GP de Portugal da história da Fórmula 1 ocorreu há 24 anos, no distante 1996. Mas isso vai mudar: a partir de sexta-feira (23), os 20 carros da categoria estarão na pista de Portimão para a disputa da 12ª etapa da temporada.

Muita coisa mudou no mundo desde então – inclusive, a presença neste planeta de cinco pilotos do grid atual, que sequer eram nascidos naquele ano. Outros 15 já eram: alguns bebês, outros crianças, mas só um já beirando a maioridade.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Abaixo, o GRANDE PRÊMIO faz essa brincadeira e conta quem pode ter assistido o último GP de Portugal e quem não tinha noção do que era Fórmula 1 – afinal, não haviam nem pisado neste planta ainda.

Adolescente

Kimi Räikkönen – 16 anos: o finlandês já estava à beira da liberação do consumo de bebidas alcoólicas, algo pelo qual ele nunca escondeu o apreço. Kimi é de outubro de 1979, enquanto o GP de Portugal de 1996 ocorreu em setembro. Ou seja, ele estava quase completando 17 anos. Na Finlândia, o álcool é liberado tal qual no Brasil, aos 18 anos. Mas, certamente, ele já brilhava nas pistas.

Lewis Hamilton tinha 11 anos quando Portugal recebeu a F1 em 1996 (Foto: Reprodução)
Crianças

Metade do grid da Fórmula 1 na atualidade era criança em 1996 – levando em conta o Estatuto da Criança e do Adolescente, que diz que este último termo passa a valer a partir dos 12 anos.

Lewis Hamilton – 11 anos: o hexacampeão do mundo é o principal candidato a ter acompanhado o GP de 1996, já que não só amava automobilismo, como já brilhava no kart.

Romain Grosjean – 10 anos: em 1996, a F1 tinha Olivier Panis e Jean Alesi como representantes da França. Grosjean, quando criança, talvez não soubesse que igualaria marcas deste segundo, como conquistar pódio e volta mais rápida.

Sebastian Vettel – 9 anos: o futuro tetracampeão do mundo admirava um Michael da F1, Schumacher, e outros dois de fora, Jordan e Jackson.

Daniel Ricciardo já vestiu, sim, a roupa da Ferrari (Foto: Reprodução)

Daniel Ricciardo e Valtteri Bottas – 7 anos: em 1996, a Finlândia tinha apenas Mika Häkkinen como representante na F1; em 2020, o ex-piloto apostou em Bottas como campeão do mundo – ainda pode acertar… Já a Austrália não tinha ninguém, mas Ricciardo já assistia seu pai pilotar no país natal, se preparando para o futuro.

Sergio Pérez – 6 anos: 1996 é um ano marcante na vida do mexicano: foi quando começou a andar de kart.

Kevin Magnussen com o pai, Jan (foto: Reprodução)

Kevin Magnussen – 3 anos: o piloto da Haas já estava envolvido com o mundo da velocidade, afinal, seu pai Jan havia sido piloto de testes da McLaren no ano anterior, e em 1997 seria titular da Stewart.

Antonio Giovinazzi, Daniil Kvyat e Carlos Sainz – 2 anos: tal trio ainda não tinha muita noção do que acontecia no mundo, sejamos honestos.

Pierre Gasly quando bebê (Foto: Reprodução)
Bebês

Quatro pilotos do grid atual eram bebês em 1996. São eles Nicholas Latifi, que tinha recém completado um ano; Pierre Gasly, então nascido há sete meses; Alexander Albon, com cinco meses; e Esteban Ocon, que nasceu exatos cinco dias antes do GP de Portugal daquela temporada.

Sequer nascidos

Uma das provas de que o grid da Fórmula 1 tem se renovado e que a nova geração chegou é o fato de um quarto dos atuais 20 pilotos sequer havia nascido da última vez que a categoria foi a Portugal. Max Verstappen, Charles Leclerc, George Russell, Lance Stroll e Lando Norris ainda não estavam neste planeta então.

O GP de Portugal, 12ª etapa da temporada 2020 do Mundial de Fórmula 1, vai ser disputado neste fim de semana. O GRANDE PRÊMIO cobre tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube