Red Bull vê só dois motores capazes de vencer na F1 e diz que Renault vai demorar “dois ou três anos” para brigar

Christian Horner, chefe da Red Bull, afirmou que só a Mercedes e a Ferrari têm motores capazes de vencer corridas na F1 atual, e que sua equipe não pode se dar ao luxo de esperar a Renault

O atraso da Renault em relação à Mercedes e à Ferrari não é uma simples questão de potência do motor ou de confiabilidade. O maior dos problemas é que, segundo Christian Horner, os franceses levariam pelo menos dois anos para se recuperar e retomar o caminho certo na F1.

Com apenas dois motores capazes de vencer GPs no grid atual, Horner pensa que uma equipe-cliente que, como a Red Bull, tem a pretensão de ser campeã, não pode se dar ao luxo de pagar tanto por tanto tempo para não receber um produto decente.

"Desde que o regulamento dos motores mudou, estamos vivendo em um mundo muito diferente. Na verdade, só há dois motores que podem competir por vitórias em GPs, e, infelizmente, a Renault ficou para trás", disse Horner à TV inglesa Sky Sports.

Christian Horner avalia que a Renault vai demorar para se recuperar (Foto: Mark Thompson/Getty Images)

No ano passado, a Red Bull Renault venceu três corridas com Daniel Ricciardo. Neste ano, contudo, a confiabilidade e o desempenho ficaram ainda mais distantes da performance da Mercedes, e o time só levou pilotos ao pódio em duas oportunidades.

"Parece que vai demorar pelo menos dois ou três anos para que eles possam brigar de novo. Como uma cliente que paga pelos motores, não podemos nos dar ao luxo de esperar tanto", completou.

 

A Red Bull está na quarta posição no Mundial de Construtores e, no momento, tentando chegar a um acordo com a Ferrari para ter motores italianos na próxima temporada.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube