F1

Renault ‘imita’ times de futebol e diz que contratou reserva Ocon por empréstimo da Mercedes até fim de 2016

Numa fase em que o mercado de transferências ferve no mundo do futebol, a Renault usou um expediente semelhante ao que muitos clubes adotam na busca de novos reforços. Foi por empréstimo que a equipe trouxe Esteban Ocon como piloto reserva até o fim da temporada. A revelação francesa tem contrato com a Mercedes, mas vai fazer parte do time de Enstone até o fim do ano
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Kevin Magnussen se surpreendeu com a chance na Renault (Foto: Reprodução)
Recentemente, uma das negociações da janela de transferências de janeiro que mais ganhou notoriedade no noticiário brasileiro foi a ida de Alexandre Pato, por empréstimo, do Corinthians para o Chelsea, da Inglaterra. Trata-se de uma forma de transferência corriqueira no mundo do futebol. E a F1 parece estar atenta a esse tipo de negociação. Assim, a Renault, usando do mesmo expediente, contratou o jovem francês Esteban Ocon como piloto reserva dos titulares Kevin Magnussen e Jolyon Palmer. Detalhe: Ocon, de 19 anos, tem contrato com a Mercedes, mas foi cedido ao time de Enstone até o fim de 2016.
 
“Esteban é uma grande aquisição para nós neste ano, e nós estamos muito empolgados em fazer parte do seu desenvolvimento. Por enquanto, ele está na base do empréstimo, é como acontece no futebol”, explicou Cyril Abiteboul, diretor geral da Renault, não descartando a possibilidade de contratar Ocon de forma definitiva no futuro. “Quem sabe?”.
Esteban Ocon foi contratado pela Renault por empréstimo junto à Mercedes para ser reserva em 2016 (Foto: Getty Images)
Ocon apareceu como um dos jovens talentos do automobilismo e, em 2015, conquistou o título da GP3. No mesmo ano, Esteban foi alçado à condição de piloto do programa de desenvolvimento de jovens talentos da Mercedes. O piloto já chegou a fazer parte de um programa semelhante entre 2012 e 2014 na Lotus, antecessora da Renault, antes de ter seu ‘passe’ comprado pela Mercedes.
 
Já o novo diretor esportivo da Renault, Fréderic Vasseur, ex-chefe de equipe de Ocon na ART Grand Prix na GP3, disse que enxerga no francês qualidades para fazer parte do grid da F1 no futuro. 
 
“Se eu considerasse que ele não é um potencial candidato, não faria o menor sentido para mim em pedi-lo para vir para cá”, explicou o dirigente. “Conheço Esteban há muito tempo, ele tem um espírito de grupo muito bom”, elogiou.
 
Por força do seu contrato com a Mercedes, Ocon pode ter de alternar as funções de reserva da Lotus com o posto de titular da marca alemã no DTM, o Campeonato Alemão de Turismo. A possível ida do atual campeão e também representante da Mercedes, Pascal Wehrlein, para a Manor, pode abrir as portas para que Ocon, que chegou a testar um carro do DTM no ano passado, faça parte do grid da categoria para se manter em atividade em 2016.
 
VEJA A EDIÇÃO #15 DO PADDOCK GP, COM LUCAS DI GRASSI