Grosjean diz que 2020 na Haas “não foi divertido” e lamenta falta de grande chance

Ex-F1, Romain Grosjean relembrou com carinho sua passagem pela F1, mas ressaltou que frequentar fim do grid com a Haas não foi "nem um pouco divertido”

Já na Indy, Romain Grosjean divulgou um onboard em Sebring (Vídeo: Romain Grosjean)

Agora piloto da Dale Coyne na Indy, Romain Grosjean, aproveitou sua saída da Fórmula 1 para fazer um breve balanço de sua passagem na categoria. Dono de 10 pódios em 179 GPs disputados, o francês relembrou seu período na categoria e apontou: apesar de uma carreira respeitável, já não havia mais diversão em brigas no fim do grid pela Haas.

O agora ex-F1 abriu o jogo sobre a passagem pela Haas entre 2016 a 2020. Apesar de ainda exaltar o certame, Grosjean afirmou que os maus resultados a frente da equipe americana foram determinantes para sua vontade de continuar na F1 se esvair.

“A Fórmula 1 é maravilhosa. Eu realmente gostei do meu tempo por lá, tive uma ótima carreira. Mas, também, chegou ao fim o que queria fazer lá. Lutar com a Haas para tirá-la do Q1, quando tudo era perfeito, foi algo que me saturou. Não foi nem um pouco divertido”, destacou, entrevistado pelo site RaceFans.

“Você não pode passar 10 anos na Fórmula 1 e não ficar feliz com isso. Se eu me arrependo de nunca ter tido um carro apto para vencer corridas e campeonatos? Sim. Mas isso dependia de mim? Provavelmente um pouco, mas também provavelmente não”, seguiu.

Romain Grosjean trocou a F1 pela Indy (Foto: IndyCar)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Grosjean parecia ter um futuro promissor na F1 em 2013. O francês vinha bem na Lotus, virando um frequentador assíduo do pódio e flertando com vitórias. Só que a equipe andou muito para trás com a introdução dos motores V6 Turbo, sendo essa a primeira pá de cal sobre o futuro de Romain.

“Após um final de 2013 muito forte, a equipe entrou em um período de enorme dificuldade financeira, mudança de regulamento para os motores. Foi um problema para continuar trabalhando. Quando essas coisas começam, você acaba com o pior carro do grid, e fica complicado conseguir um bom lugar em outra equipe”, comentou o francês.

O último GP de Grosjean na F1 foi o do Bahrein de 2020. O francês teve um acidente assustador, do qual escapou com queimaduras nas mãos. Depois de usar os últimos meses para finalizar o período de recuperação, o piloto participou normalmente da pré-temporada da Indy. A primeira corrida pelo certame americano é neste fim de semana, em Barber.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube