Rosberg faz passeio turístico pelas ruas de Baku, volta a vencer e ganha fôlego na disputa pelo título da F1

Nico Rosberg passeou no Azerbaijão neste domingo (19). Depois de uma largada quase perfeita, o alemão não encontrou adversários para liderar de ponta a ponta o GP da Europa, que pela primeira vez foi disputado no Azerbaijão. Foi a 19ª vitória do piloto da Mercedes na carreira e um triunfo importante para suas ambições pelo título. Agora, a Rosberg abre 24 pontos para Lewis Hamilton, apenas o quinto

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Foi um passeio. Um passeio quase turístico, tamanha a tranquilidade com que Nico Rosberg venceu o GP da Europa nas ruas de Baku neste domingo (19). Depois de uma pole exuberante no sábado, o alemão largou muito bem na longa reta da ‘avenida’ da capital azeri e não encontrou sequer um adversário. É bem verdade que foi um passeio solitário. Mas suficiente para reagir e ganhar um fôlego providencial na briga pelo título da F1 em 2016.

 
Ainda, o triunfo na inédita corrida do Azerbaijão representa o 19º da carreira do filho de Keke. E o coloca em uma posição mais confortável na liderança do Mundial. Agora, são 141 pontos contra 117 do grande rival Lewis Hamilton, que viveu uma corrida mais tumultuada, marcada por problemas eletrônicos e discussões com o pit-wall. O inglês cruzou só em quinto.
 
Quem mais se aproximou da Mercedes #6 foi a Ferrari. Mesmo lançando mão de uma estratégia diferente para seus dois comandados, a equipe italiana foi capaz de colocar Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen em segundo e quarto. É quase uma redenção depois do que aconteceu no Canadá na semana passada. O terceiro posto, na verdade, ficou com um impressionantemente rápido Sergio Pérez, que incomodou os grandes desta vez – o piloto da Force India fez uma bonita ultrapassagem no nórdico ferrarista na última volta para repetir seu melhor resultado até aqui na temporada. É o segundo pódio do mexicano em 2016.
 
Entre os dois brasileiros, Felipe Massa foi o melhor. O piloto da Williams terminou a corrida em décimo, enquanto Felipe Nasr foi o 12º, em uma apresentação bastante decente da Sauber.
Nico Rosberg venceu o GP da Europa (Foto: Mercedes)

Confira como foi o GP da Europa de F1

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Poucas horas antes da largada, o grid do GP da Europa sofreu pequenas mudanças. Por conta da troca de câmbio, Carlos Sainz perdeu cinco posições e saiu apenas de 18º, enquanto Kevin Magnussen, que também precisou fazer a mesma alteração, partiu dos boxes – no caso do dinamarquês, a Renault também mexeu no acerto de suspensão já sob regime de parque fechado, daí a punição mais grave. 

 
Além dessas alterações, os comissários também decidiram autorizar a Mercedes a trocar o pneu dianteiro esquerdo do carro de Lewis Hamilton. Durante o Q2 da classificação de sábado, o inglês errou e acabou danificando demais o composto supermacio, com o qual teria de largar. Então, por segurança, a mudança foi liberada.
 
Dito isso, os carros saíram para a volta de apresentação levando a expectativa de uma corrida acidentada e cheia de intervenções do safety-car, unicamente por conta da natureza do circuito urbano da capital do Azerbaijão – a GP2 foi uma bela demonstração do que o traçado azeri era capaz de fazer.
A largada do GP da Europa em Baku, no Azerbaijão (Foto: Getty Images)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Quando as luzes apagaram na longa reta dos boxes, o pole Nico Rosberg saltou bem da posição de honra e soube se defender do ataque inicial de Daniel Ricciardo. Mais atrás, Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen seguiram os ponteiros, enquanto Felipe Massa espalhou por fora na curva 1 e acabou perdendo a quinta posição para Sergio Pérez

 
No fundo do grid, Rio Haryanto acabou tocado e teve de visitar os boxes logo na sequência. Pouco antes, Gutiérrez acabou perdendo parte da asa dianteira também por um toque na curva 1. Bottas também perdeu colocação em uma disputa com Daniil Kvyat ainda na largada. 
 
Assim, a primeira volta teve a seguinte ordem: Rosberg, Ricciardo, Vettel, Räikkönen, Pérez, Massa, Max Verstappen, Daniil Kvyat, Valtteri Bottas, Lewis Hamilton, Romain Grosjean, Fernando Alonso, Nico Hülkenberg, Felipe Nasr, Jenson Button, Pascal Wehrlein, Esteban Gutiérrez, Carlos Sainz, Jolyon Palmer, Kevin Magnussen e Haryanto.
 
Com tudo mais calmo depois de uma largada até conservadora, os pilotos começaram a buscar novas colocações. Lá na frente, Rosberg tentava escapar de Ricciardo e Vettel. Räikkönen, por sua vez, já se via pressionado por Pérez. Mais atrás, Verstappen vinha caindo de posição, até que teve de ir aos pits. Foi o primeiro entre os ponteiros. 
 
O holandês veio no giro seis e trocou para os pneus macios. Fernando Alonso, que vinha apenas no pelotão intermediário, também optou por parar. Neste ínterim, um enorme plástico azul caiu na pista e ficou preso na parte dianteira do carro de Vettel. Räikkönen também se queixou do lixo no traçado.
 
Quase ao mesmo tempo, Ricciardo foi outro que parou logo na volta sete. E deixou os pits com os pneus amarelos. Uma passagem mais tarde, a Ferrari chamou o finlandês, que também optou pelos macios. Massa fez uma rápida parada logo em seguida.
 
Dos ponteiros, Rosberg, Vettel, Pérez, Bottas e Hamilton decidiram ficar mais tempo na pista. Dessa forma, no décimo giro da corrida azeri, a ordem estava assim: Rosberg, Vettel, Pérez, Bottas, Hamilton, Hülkenberg, Grosjean, Ricciardo, Wehrlein, Räikkönen, Ericsson, Massa, Palmer, Verstappen, Sainz, Alonso, Button, Nasr, Magnussen, Haryanto e Gutiérrez. Kvyat já estava fora com problemas mecânicos.
Aí, enquanto Rosberg já ia virando volta mais rápida em cima de volta mais rápida lá na frente, o tetracampeão da Ferrari vinha tentando tirar diferença para o líder da prova. Pérez já tinha o mesmo ritmo do alemão, trazendo consigo Hamilton. Bottas, Ricciardo, Hülkenberg, Räikkönen, Massa e Verstappen formavam os dez primeiros.
 
Aí Räikkönen se tornou o homem mais rápido da pista, mas andando apenas em oitavo. Só que o finlandês acabou investigado pelos comissários por ter pisado na linha branca de entrada dos pits. E foi punido com um penalty de cinco segundos – que seriam acrescidos ao seu tempo final da corrida. Neste meio tempo, Kimi ainda fez uma bonita ultrapassagem em Hülkenberg para assumir o sétimo posto. Tudo isso na volta 15.
 
Um giro depois, Hamilton foi aos boxes buscar os pneus macios. Retornou à pista em nono. Pérez veio na volta seguinte, novamente à frente do tricampeão. Enquanto isso, Rosberg, Vettel e Bottas seguiam na corrida sem pit-stops. 
Felipe Massa durante o GP da Europa em Baku, no Azerbaijão (Foto: Getty Images)
De volta ao ritmo normal de prova, Hamilton, na no nono posto, começou a virar os giros mais velozes da corrida. Mais à frente, Räikkönen já superava Ricciardo, para ocupar o quarto lugar.
A corrida nas ruas de Baku alcançou a marca de 20 voltas com Rosberg ainda na frente, solitário, com mais de 20 segundos de vantagem para Vettel. Dos ponteiros, os dois eram os únicos ainda sem paradas. Isso porque a Williams chamou Bottas exatamente na 20ª passagem. O finlandês também voltou de macios e na nona posição, logo atrás do companheiro de equipe, Massa, que tinha acabado de sofrer as ultrapassagens de Pérez e Hamilton.
 
E finalmente Ferrari e Mercedes decidiram chamar seus dois pilotos. Primeiro foi Vettel, no fim do giro 20. Rosberg foi no seguinte. Ambos saíram na segurança dos pneus macios e evidenciando a estratégia de uma única parada. Ainda, foi neste meio que a Red Bull trocou os pneus de Verstappen. O holandês surpreendentemente optou pelos médios, o que deixou claro a ‘sofrência’ da equipe austríaca com os compostos. Isso porque Ricciardo também teve de pegar os médios nos boxes logo na sequência.

Enquanto isso, os brasileiros apareciam até bem na prova. Felipe Massa vinha lutando pela sexta colocação. Já Felipe Nasr, também em tática de duas paradas, era o 12º.

Depois do pit-stops dos líderes, o início da metade final da corrida acompanhou uma interessante briga entre os dois carros da Ferrari. Com Rosberg muito à frente, Räikkönen era o segundo, mas sofria com a aproximação do tetracampeão, que vinha voando com pneus novinhos. 
 
Pérez, por sua vez, andava confortavelmente em quarto, à frente de Hamilton, Massa e Bottas – que ainda parariam uma vez mais antes do fim da prova. Hülk vinha em oitavo, com Ricciardo e Magnussen fechando os dez primeiros.
Nico Rosberg dominou por completo o chatíssimo GP da Europa no Azerbaijão (Foto: Getty Images)
Não demorou muito, e Hamilton começou uma intrigante discussão com a Mercedes sobre o acerto eletrônico de seu carro. O inglês parecia não entender os problemas para a falta de ritmo. Assim, durante a conversa com o pit-wall, Pérez aproveitou para abrir uma confortável vantagem de dez segundos. Lewis, sem ter muito que fazer, foi se mantendo mesmo em quinto.
 
Na parte final da prova, Wehrlein se viu sem freios e teve de abandonar. Outro que ficou fora da corrida foi Alonso. Depois de perder posições após figurar em 12º, o espanhol teve de encostar a McLaren nos boxes.
 
Assim, com cinco voltas para o fim, a ordem era: Rosberg, Vettel, Räikkönen, Pérez, Hamilton, Bottas, Hülkenberg, Ricciardo, Verstappen, Massa, Button, Nasr, Magnussen, Grosjean, Palmer, Gutiérrez, Ericsson e Haryanto.
 
As voltas finais ainda viram um nervoso Räikkönen incomodado com um problema que a Ferrari não conseguia resolver do pit-wall.
 
Sem nada que ver com isso, Rosberg cruzou a linha de chegada com 17s de vantagem para Vettel, o segundo colocado. Räikkönen passou em quarto, perdendo o pódio para Pérez na última volta, com uma bonita ultrapassagem – na verdade, o finlandês perderia de qualquer jeito por conta da punição do início da corrida. Hamilton ficou mesmo em quinto. Entre os brasileiros, Felipe Massa terminou em décimo, enquanto Felipe Nasr foi o 12º.

E lembra daquela expectativa do começo deste texto, que falava em acidentes e safety-car? Pois é… A prova correu sem qualquer incidente grave. Nada. O carro de segurança sequer foi acionado. Quer dizer, a primeira corrida no Azerbaijão terminou sem muita emoção, até um pouco frustrante. 

A próxima prova da F1 acontece em duas semanas, no Red Bull Ring, na Áustria.

F1, GP da Europa, Baku, final:

1 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES 51 voltas  
2 5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI +16.696  
3 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES +25.241  
4 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI +33.102  
5 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES +56.335  
6 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES +1:00.686  
7 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL TAG HEUER +1:09.229  
8 33 MAX VERSTAPPEN HOL RED BULL TAG HEUER +1:10.696  
9 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES +1:17.708  
10 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES +1:25.375  
11 22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA +1:44.817  
12 12 FELIPE NASR BRA SAUBER FERRARI +1 volta  
13 8 ROMAIN GROSJEAN FRA HAAS FERRARI +1 volta  
14 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN RENAULT +1 volta  
15 30 JOLYON PALMER ING RENAULT +1 volta  
16 21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX HAAS FERRARI +1 volta  
17 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI +1 volta  
18 88 RIO HARYANTO INA MANOR MERCEDES +2 voltas  
  14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA NC  
  94 PASCAL WEHRLEIN ALE MANOR MERCEDES NC  
  55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO FERRARI NC  
  26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO FERRARI NC  
PADDOCK GP #33 ANALISA GP DO CANADÁ E FAZ PRÉVIA DO GP DA EUROPA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar