Rosberg segura ataque de Ricciardo, vence no 200º GP da carreira na F1 e vira jogo contra Hamilton no campeonato

Nico Rosberg não deu chances a ninguém e nem a nada no GP de Cingapura neste domingo (18). O alemão brilhou e conquistou uma importante vitória para suas ambições no campeonato, se tornando líder do Mundial novamente. A vitória ainda veio em sua corrida de número 200 na F1

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Nico Rosberg iluminou as ruas de Cingapura com uma vitória categórica neste domingo (17) – a oitava da temporada. E deu um passo importantíssimo para suas ambições de título em 2016. Na verdade, o triunfo começou a se desenhar ainda no sábado, quando o alemão da Mercedes voou em Marina Bay para garantir uma pole-position que hoje o colocou em uma forte posição para virar o jogo contra Lewis Hamilton na batalha que ambos travam pelo campeonato mundial. E Nico ainda teve o capricho de celebrar seu 200º GP na carreira com uma conquista que pode mudar sua história na maior das categorias. 

 

O filho de Keke Rosberg só não liderou as voltas em que precisou trocar os pneus, mas, de resto, foi impecável. Rápido e preciso, Nico não deu chances a ninguém – leia-se aí o ataque final da Red Bull com um pit-stop certeiro de Daniel Ricciardo – e a nada – o carro prata exigiu um cuidado além do normal desta vez, sobretudo com relação aos freios. Mas o vencedor levou tudo à sério demais e agora retoma a liderança do Mundial, com 273 pontos, contra 265 de Hamilton, faltando apenas seis corridas para o fim da temporada.

Hamilton, aliás, foi ao pódio. Terceiro, atrás de Nico e Daniel. O inglês em nenhum momento teve chance de disputar a vitória e ainda teve de contar com uma astuta estratégia da Mercedes para vencer Kimi Räikkönen no fim – também contando com certa hesitação da Ferrari na parte final da corrida asiática.

Sebastian Vettel foi outro grande nome da prova. Saindo da última colocação, o tetracampeão cruzou a linha de cheda na quinta posição, bem à frente de Max Verstappen e Fernando Alonso. Sergio Pérez, Daniil Kvyat e Kevin Magnussen completaram a lista dos dez primeiros. Felipe Massa terminou a corrida em 12º, uma posição à frente de Felipe Nasr.

Nico Rosberg celebra vitória do GP de Cingapura (Foto: Mercedes)

Confira como foi o GP de Cingapura de F1

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Antes mesmo do apagar das luzes no grid em Marina Bay, Romain Grosjean se tornava o primeiro abandono da corrida. A Haas já havia trocado o câmbio do carro do francês por conta do acidente na classificação, mas no momento de ir à pista, uma falha de freio o impediu de disputar a prova. Outro que sofreu trocas antes da corrida foi Sebastian Vettel. A Ferrari aproveitou a última colocação do tetracampeão para mudar o motor e também a caixa de câmbio.

 
Dito isso, os carros alinharam na iluminada reta principal com Nico Rosberg puxando o pelotão – o detalhe aqui é que, com exceção dos dois carros da Red Bull, que optaram pelos pneus supermacios, o restante do top-10 estava todo de ultramacios, assim como grande parte do grid. A outra exceção se configurou em Felipe Nasr e Jolyon Palmer, que escolheram os vermelhos também, e Sebastian Vettel, que decidiu iniciar a corrida com os macios, deixando claro a intenção de um stint bem longo na primeira parte da prova. 
 
Quando as seis luzes apagaram, o pole alemão saltou em linha reta e manteve a primeira colocação sem problemas, trazendo consigo Daniel Ricciardo e Lewis Hamilton. A confusão se deu logo atrás. Saindo de quarto, Max Verstappen fez uma largada ruim e mais lenta que os concorrentes. Nico Hülkenberg, que saía imediatamente atrás, tentou logo superar o holandês, mas, na manobra, acabou se envolvendo em uma colisão com Carlos Sainz, que também tentava pela direita evitar o carro lento de Verstappen, e Daniil Kvyat. Na verdade, Hülk se viu ensanduichado pelos dois carros da Toro Rosso. 
Nico Hülkenberg sofreu um acidente logo na primeira volta do GP de Cingapura (Foto: Reprodução/F1)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Tocado, o alemão da Force India rodou na reta e ainda bateu na mureta de proteção do lado interno da pista – o piloto saiu ileso, mas a corrida precisou da intervenção da direção de prova. Por conta dos detritos e do resgate do carro de Hülkenberg, o safety-car foi acionado logo na primeira volta. 

 
Outros incidentes também foram gerados pelo acidente da largada. Valtteri Bottas, por exemplo, teve o pneu traseiro esquerdo furado. Aí a Williams logo chamou o finlandês para os boxes, que aproveitou e já colocou os pneus macios. No retorno à pista, Bottas saiu sem segurança e por pouco não pegou um mecânico e o carro Vettel que passa pelos pits, atrás do safety-car, enquanto o traçado estava sendo limpo pelos fiscais.
 
A relargada em Cingapura se deu na volta 3. Rosberg saltou novamente na frente sem maiores dramas. Ricciardo e Hamilton o seguiram, com Kimi Räikkönen um pouco mais atrás. Fernando Alonso, Kvyat, Sainz, Verstappen, Felipe Massa e Kevin Magnussen completavam os dez primeiros. Felipe Nasr vinha apenas em 16º. 
 
Aí veio um momento de susto (mais um). No momento em que os carros relargavam, um fiscal de pista surgiu correndo pelo traçado, bem à frente do líder Rosberg… Enquanto isso, a direção de prova investigava o incidente protagonizado por Bottas nos pits e a manobra de ultrapassagem de Esteban Ocon durante o safety-car. O jovem francês seria punido mais tarde com uma punição de 5s nos boxes.
 
Lá na frente, Rosberg tratava de abrir caminho para Ricciardo, que fazia o mesmo para Hamilton. No pit-wall, a Mercedes não escondia a preocupação com o aquecimento dos freios – eterno problema dos prateados no calor. Quase ao mesmo tempo, Sainz recebia a indicação para ir aos boxes para reparar uma aleta quebrada. O espanhol aproveitou, claro, para fazer também a troca de pneus.
 
Mais atrás, Vettel vinha tentando escalar o pelotão. Depois de superar a Manor de Pascal Wehrlein, o tetracampeão grudou em Felipe Nasr. Ambos brigavam já pela 12ª colocação na pista.
 
Aí começaram as paradas de box dos ponteiros. Primeiro, veio Verstappen na volta 14 e seguiu com os pneus supermacios. Alonso parou no giro seguinte e repetiu a combinação. Uma passagem mais tarde, Ricciardo e Hamilton também pararam. Mas enquanto o australiano botou os vermelhos, o inglês optou pelos macios – os de risca amarela. O líder Rosberg fez seu pit-stop na volta 17. Também macio para o alemão. Räikkönen, que chegou a liderar por uma volta, foi aos boxes na passagem seguinte, também optando pelos supermacios.
 
Depois dos pits dos ponteiros, a ordem, quando a corrida alcançou as primeiras 20 voltas, era: Rosberg, Ricciardo, Hamilton, Räikkönen, Pérez, Vettel, Alonso, Kvyat, Verstappen, Massa, Magnussen, Sainz, Gutiérrez, Ericsson, Nasr, Palmer, Bottas, Button, Wehrlein e Ocon. 
Kvyat segura Verstappen durante o GP de Cingapura (Foto: Reprodução/F1)
Aí, enquanto Rosberg trabalhava para se distanciar de Ricciardo, que fazia exatamente a mesma coisa para cima de Hamilton e Räikkönen, a briga mais divertida da prova estava no pelotão intermediário e era protagonizada por Kvyat e Verstappen. Os dois jovens disputavam a oitava colocação, com direito a escapada e empurrões para fora da pista. E, claro, muitas queixas no rádio, principalmente de Max, que se mostrava mais rápido, mas não encontrava chance de superar o piloto da Toro Rosso.
Na volta 25, a Ferrari chamou Vettel para a primeira parada da prova. O alemão entrou rápido demais nos boxes e por pouco não bate na entrada dos pits. Ainda assim, Seb fez o pit-stop e voltou com os ultramacios, na 12ª colocação. Pérez também aproveitou o embalou e parou, retornando imediatamente atrás do ferrarista.
 
Enquanto isso, Ricciardo começava a tirar proveito dos pneus supermacios e já andavam mais de meio segundo acima dos tempos de Rosberg. A diferença entre eles estava na casa de 3s8. Mais atrás, Hamilton sofria do mesmo mal do colega, mas tinha Räikkönen muito mais próximo, quase 1s. Alonso era o quinto e tinha em seu encalço um veloz Kvyat, que se livrara de Verstappen. Massa, Magnussen, Vettel e Gutiérrez completavam os dez primeiros.
Sebastian Vettel superou Sainz e Gutiérrez já perto da metade da prova (Foto: Reprodução/F1)
Interessante aqui narrar a forma como Vettel entrou nesta top-10. O tetracampeão chegou muito rápido atrás de Sainz e Gutiérrez e não teve dúvida. Primeiro, superou o mexicano para depois armar uma armadilha para cima do espanhol. Na verdade, o ferrarista executou uma linda ultrapassagem nos dois rivais quase de uma vez só em um ponto de baixa velocidade da pista. 
 
Massa, então, veio aos boxes na volta 29. Foi a terceira parada do brasileiro, que voltou em 13º. Ao mesmo tempo, Nasr já perdia a 11ª colocação para Verstappen. Aí que o holandês alcançou a briga entre Pérez e Gutiérrez. O mexicano da Force India foi superado com facilidade, já o piloto da Haas deu bem mais trabalho. 

Enquanto isso, a Mercedes voltava a alertar Rosberg sobre os freios. Ao mesmo tempo, Ricciardo usou a volta 33 para buscar os pneus amarelos nos boxes. Na pista, Hamilton deu uma esparramada na curva e Kimi não perdoou, tomando a segunda posição. Só que isso tudo mudou rapidinho na sequência. Isso porque o líder também foi aos boxes, assim como o finlandês. Ambos voltaram com os amarelos. Lewis foi na 35. E também voltou de macios. 

Kimi Räikkönen ultrapassou Lewis Hamilton antes da parada final nos boxes (Foto: Reprodução/F1)

Não percamos as contas. Depois das paradas e com metade da prova completada, Rosberg manteve a ponta, com 5s1 de vantagem para Ricciardo. A ultrapassagem na pista também deu a Räikkönen a vantagem após os pits, e o finlandês se colocou em terceior, à frente de Hamilton. Mais atrás, Vettel surgiu um impressionante quinto lugar, conquistado após uma bela manobra para cima de Kvyat. Magnussen, Verstappen, Alonso e Pérez completavam os dez primeiros. Massa era o 11º, quatro colocações à frente de Nasr.

A Williams, então, chamou o Bottas para os pits na volta 38 das 61 da corrida. O finlandês se tornou o terceiro abandono da prova. O piloto havia sofrido um incidente logo no início e ainda enfrentava um problema com o cinto de segurança. Mas a razão foi mesmo um falha mecânica.

A parte final da prova em Cingapura foi marcada por erros e acertos das equipes com relação à estratégia. Enquanto a Mercedes optou por chamar Hamilton uma vez mais aos boxes para dar o bote na Ferrari de Räikkönen – e aqui a equipe italiana mostrou clara hesitação ao fazer o finlandês parar novamente -, o mesmo não foi feito com o líder Rosberg. O time prata manteve o alemão na pista mesmo com os pneus gastos. E Nico recompensou a escolha andando forte e controlando o ímpeto de Ricciardo.

A Red Bull colocou pneus supermacios em seu carro no fim, e o australiano voou, descontando em pouco mais de 11 voltas uma diferença acima de 20s. Mas a Rosberg soube administrar bem os macios gastos e não deu chance. No fim, Ricciardo cruzou a linha de chegada a menos de meio segundo do novo líder do campeonato.

Rosberg celebra a vitória com a equipe Mercedes (Foto: Mercedes)

Hamilton assegurou o lugar no pódio com o terceiro lugar. Räikkönen terminou mesmo em quarto, com um impressionante Vettel em quinto.

A F1 volta daqui a duas semanas com o GP da Malásia, em 2 de outubro.  

F1, GP de Cingapura, Marina Bay, final:

1 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES 1:55:48.950 61 voltas
2 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL TAG HEUER +0.488  
3 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES +8.038  
4 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI +10.219  
5 5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI +27.694  
6 33 MAX VERSTAPPEN HOL RED BULL TAG HEUER +1:11.197  
7 14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA +1:29.198  
8 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES +1:51.062  
9 26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO FERRARI +1:51.557  
10 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN RENAULT +1:59.952  
11 21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX HAAS FERRARI +1 volta  
12 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES +1 volta  
13 12 FELIPE NASR BRA SAUBER FERRARI +1 volta  
14 55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO FERRARI +1 volta  
15 30 JOLYON PALMER ING RENAULT +1 volta  
16 94 PASCAL WEHRLEIN ALE MANOR MERCEDES +1 volta  
17 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI +1 volta  
18 88 ESTEBAN OCON FRA MANOR MERCEDES +2 voltas  
  22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA   NC
  77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES   NC
  27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES   NC
  8 ROMAIN GROSJEAN FRA HAAS FERRARI   NC
               
MELHOR VOLTA DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL TAG HEUER 1:47.187  
PADDOCK GP #46 TRAZ BOB KELLER E DEBATE VITÓRIAS DE FRAGA E PEDROSA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube