F1

Russell descarta interesse em brigar com Kubica e diz: “Precisamos trabalhar juntos para fazer isso direito”

George Russell não quer se focar na briga interna da Williams. O novato da Fórmula 1 afirmou não ter interesse em brigar com Robert Kubica pela última colocação do grid, ressaltando que é preciso fazer trabalho em equipe para conseguirem avançar

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
George Russell não tem muito interesse na briga interna da Williams na temporada 2019. O inglês afirmou que, ao invés de disputar com Robert Kubica, os dois precisam se juntar para fazer a equipe evoluir.
 
A abertura da temporada 2019 da Fórmula 1 viu a equipe ser pouco competitiva na Austrália. A dupla cruzou a linha de chegada nas duas últimas colocações, com o estreante ainda ficando uma volta à frente do polonês.
 
Entretanto, essa briga entre os dois pouco interessa Russell. “De uma perspectiva pessoal, você só tem seu companheiro de equipe para se comparar. Obviamente não estou decepcionado em ter ficado na frente, mas no final do dia, não estou interessando em brigar com Kubica pelo último lugar. Precisamos trabalhar juntos para fazer isso direito”, falou.
George Russell (Foto: AFP)
“Pessoalmente posso ficar um pouco satisfeito deste final de semana. Sábado foi um dia realmente bom para mim, deixei o circuito com a cabeça levantada, e na corrida sabíamos onde estávamos”, complementou.
 
“E obviamente não foi uma briga justa com Robert, ele tinha um dano da largada. Então, para nós dois, foi apenas terminar a corrida e aprender o máximo possível”, seguiu.
 
No fim da prova australiana, uma estratégia diferente de paradas colocou Russell no meio do pelotão. Mesmo uma volta abaixo, o piloto exaltou a sensação. “No final da corrida, estava preso atrás de [Lando] Norris e [Sergio] Pérez, pois estava com pneus mais novos”, explicou.
 
“Então isso foi até que legal, estar tão próximo e entender o quanto de downforce perdemos enquanto estávamos ali. Quasse podemos até dizer que são sessões de treinos para quando tivermos ritmo no futuro”, encerrou.