“Sem bola de cristal”, Alonso defende troca de Ferrari por McLaren: “Nove em dez pilotos fariam isso”

Fernando Alonso foi seduzido pelo projeto McLaren-Honda, que fracassou. Mesmo assim, o espanhol não lamenta buscar a opção que parecia destinada ao sucesso: “Ouvi que o turbo da Ferrari não era bom e que tinha sido uma decisão ótima”

Fernando Alonso não se arrepende de deixar a Ferrari ao fim de 2014 para apostar as fichas no projeto McLaren-Honda em 2015. A equipe italiana voltou a ser uma força capaz de brigar por títulos, enquanto a britânica afundou com a parceria. Para Alonso, não há o que fazer – afinal, a proposta tentadora da escuderia de Woking era capaz de seduzir “nove em dez pilotos” do grid da F1.
 
“Eu penso que a F1 sempre vai ter um só vencendo, enquanto todos os outros não estão vencendo”, considerou Alonso. “Eu tive azar em algumas corridas, mas é difícil tomar decisões sem uma bola de cristal. É fácil falar quando um capítulo se encerra. Quando eu fui para a Ferrari em 2010, acho que dez em cada dez pilotos teriam ido nessa direção”, seguiu.
 
Depois de um 2014 decepcionante da Ferrari, Alonso foi seduzido pela McLaren e o projeto com a Honda. A parceria começou ambiciosa, mas Fernando não conseguiu um único pódio em três anos.
 
“Quando eu fui para a McLaren-Honda em 2015, foi depois de passar o 2014 ouvindo que o motor turbo da Ferrari não era bom e que tinha sido uma decisão muito boa. McLaren e Honda tiveram um ano inteiro para se desenvolver, já que não estavam correndo em 2014, e era uma decisão ótima. Ouvi coisas boas e acho que nove em cada dez pilotos teriam ido nessa direção”, avaliou.
Fernando Alonso deixou a F1 após anos frustrantes com a McLaren (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

“Não acho que me arrependo de muitas coisas. Estou feliz com minhas decisões. Só um vai ficar feliz aqui, que é o Lewis Hamilton esse ano. Segundo, sétimo ou 12º é tudo a mesma coisa. Venci dois campeonatos, tenho 97 pódios. Tenho colegas com muito talento, como o Hülkenberg, com zero pódios; o Vettel, há muitos anos sem vencer [o título]; Verstappen, zero títulos; Ricciardo, muito talento, mas zero títulos. Provavelmente todos eles têm azar, mas é assim que o esporte funciona. Ter todas essas coisas vindo do norte da Espanha, não me arrependo de nada”, encerrou.
 
Alonso optou por deixar a F1 ao fim de 2018. Agora com tempo livre, o espanhol constrói um calendário mais variado – e que já começa com a disputa das 24 Horas de Daytona no próximo fim de semana.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube