Sem força, fundos e consenso, Fota anuncia fim das atividades após seis anos de existência

A Associação das Equipes da F1 informou que está chegando ao fim por não representar mais os interesses das equipes que ainda nela restavam. A entidade havia sido criada em 2008 e tinha como presidente Martin Whitmarsh, cujo paradeiro é desconhecido


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A sexta-feira (28) não representou apenas o segundo dia de testes coletivos no Bahrein para os pilotos e as equipes — sobretudo estas, no caso. A Fota, a associação que as representava, anunciou o fim de suas atividades e, por consequência, de sua existência.

Nada mais natural para uma entidade que já vinha combalida e que não representava os interesses das 11 escuderias. Segundo Oliver Weingarten, secretário-geral da organização, "a Fota foi destituída como resultado de fundos insuficientes para continuar e falta de consenso entre todas as equipes".  

A Fota nasceu em 2008 para representar uma voz uníssona entre os times nas conversas com a FOM de Bernie Ecclestone e a FIA do então presidente Max Mosley e, posteriormente, Jean Todt. Mas sofreu um corte profundo três anos depois quando Ferrari e Red Bull abandonaram a associação em meio a acusações de que estavam burlando o acordo de restrição de custos da F1. Na sequência, a Toro Rosso e a Sauber seguiram o mesmo caminho.

Whitmarsh assumiu comando da Fota no final de 2009. Mas quedê ele hoje? (Foto: McLaren)


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});



Maior força remanescente, a McLaren viu seu então diretor-executivo, Martin Whitmarsh, assumir a direção da Fota. O sumiço de Whitmarsh na reorganização da equipe, que agora volta a ser comandada por Ron Dennis, também ajuda a explicar o fim da associação.

A Fota chegou a fazer algum barulho na F1 em 2010, quando esteve decidida a romper com Ecclestone e formar um campeonato paralelo se não tivesse seus desejos atendidos. No fim, Ecclestone deu um jeito de acertar os ponteiros. O último grande ato da Fota foi acertar a realização de testes durante a temporada, algo que vai acontecer em maio entre os GPs da Espanha e de Mônaco.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube