F1

Sette Câmara foca em “fazer tudo certo” na McLaren e espera encontrar “estrutura muito mais complexa”

Sérgio Sette Câmara está chegando na McLaren para sentir um gostinho da F1. O piloto mineiro já sabe que vai passar por muitas sessões de simulador na McLaren no ano que vem, e se acertar tudo, a pista é possível
Warm Up, de São Paulo / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
 Fernando Alonso, Felipe Noronha e Sérgio Sette Câmara (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Sérgio Sette Câmara vai dar um passo adiante na carreira. Enquanto disputa o título da F2 na próxima temporada, vai assumir também o papel de piloto de desenvolvimento da McLaren, e já começou a pensar nos trabalhos iniciais que serão feitos junto com a equipe.
 
Durante uma entrevista promocional comandada pelo GRANDE PRÊMIO na última semana, Sette Câmara se encontrou com Fernando Alonso e tratou sobre o futuro como piloto do grupo McLaren. 
 
Com relação aos testes que fará em 2019, Sette Câmara deixou claro que ainda não se sabe. Num primeiro momento a questão é apenas relacionada aos simuladores. Pensar na pista é algo hoje fora de seu controle.
Fernando Alonso, Felipe Noronha e Sérgio Sette Câmara (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
"Não sei como vai ser, visto que a primeira vez sendo piloto de testes. Não é a F1 de anos atrás, os testes são limitados, então acredito que vou começar no simulador", disse ao repórter do GP Felipe Noronha.
 
"Se eu fizer tudo certo, aí provavelmente vou testar o carro de verdade, mas aberto a aprender e focado no meu objetivo principal no ano que vem, que ainda vai ser a F2, afirmou.
 
Questionado sobre as diferenças que espera encontrar na McLaren em comparação ao que conhece da F2, citou o tamanho de pessoal.
 
"Eu espero encontrar uma equipe muito maior, com mais pessoas trabalhando e uma estrutura mais complexa — algo com o que não estou completamente acostumado, já que na F2 havia apenas 12 pessoas. Acredito que irei aprender muito e desejo ajudar a equipe de alguma forma", encerrou.