Só 17º na Espanha, Alonso fala em “estratégia suicida” da Alpine para tentar ponto

Fernando Alonso largou em décimo lugar e, ao lado da Alpine, apostou em uma estratégia que não deu certo: a tática de apenas uma parada não funcionou no GP da Espanha

Não foi, nem de longe, o GP da Espanha que Fernando Alonso esperava no seu regresso a Barcelona. O bicampeão do mundo conseguiu um lugar no Q3 no sábado e largou em décimo lugar. Ao longo da corrida, no entanto, a Alpine e o piloto tentaram uma estratégia diferente e que, no fim das contas, não deu certo. O veterano de 39 anos largou com pneus macios usados, fez seu pit-stop na volta 21 e apostou nos pneus médios novos para tentar um longo stint até o final da prova, de 66 giros. Mas os compostos não aguentaram, o que fez o piloto realizar um pit-stop não programado, a cinco voltas do fim. O fracasso na estratégia rendeu a Alonso apenas o 17º lugar neste domingo (9).

“Foi uma estratégia um pouco suicida para tentar marcar um ponto. Precisamos trabalhar e focar na corrida seguinte, sobretudo no que diz respeito à classificação”, disse o piloto em entrevista ao serviço de streaming DAZN logo depois da corrida.

“Estava com muita gente atrás de mim. Todo mundo estava lá. Faltando 20 voltas, decidimos não parar e ir até o final sabendo que seriam voltas com muita ação. E assim foi. No final, a cinco ou seis voltas, não mantivemos essa estratégia. Largar atrás comprometeu um pouco a corrida desde o início”, disse Alonso.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

O veterano, no entanto, apareceu para as entrevistas pós-corrida com sorrisos no rosto. Para Alonso, o plano de fazer apenas uma parada foi ousado, mas importante para testar as diferentes estratégias pensadas pela Alpine.

A estratégia ousada da Alpine não deu certo: Alonso terminou só em 17º lugar na Espanha (Foto Alpine Renault)

“Foi divertido. Muito difícil porque, ao começar se defendendo, acho que você está sempre em uma batalha com alguém e isso prejudica um pouco por conta do cansaço. Tentamos algo diferente com uma estratégia de parada única e talvez muito otimista”, explicou.

“Por cinco ou seis voltas, não seguramos esse ponto. Dói menos por saber que era apenas 1 ponto”, complementou.

Alonso comentou ainda que não percebeu problemas em seu A521: “Não mudei nada no volante. Preciso descobrir mais, mas no final estou bem com o motor.”

Por fim, o piloto reconheceu que ainda precisa corresponder e entregar mais. “Queríamos ver como o carro se comportava com outros pneus. Vamos aprendendo a cada corrida. Ainda precisamos trabalhar. No meu caso, ainda mais”, concluiu.

Sem pontuar, Fernando Alonso se encontra na 12ª posição do Mundial de Pilotos e continua com somente 5 pontos. Seu companheiro de equipe, Esteban Ocon figura em nono e soma 10 pontos.

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar