Única mulher a vencer no WRC, Mouton ignora Jordá e vê em Simona, Danica e Wolff potencial para andar na F1

Para a lendária francesa Michèle Mouton, hoje presidente da Comissão para Mulheres no Automobilismo da FIA, é possível separar quem são as mulheres que subiram na escada rumo à F1 por questões comerciais daquelas que realmente tem talento. Ela crê que Simona de Silvestro, Danica Patrick e Susie Wolff são três das melhores da atualidade

Michèle Mouton acredita que Carmen Jordá não pode ser levada como um exemplo de mulher que seguiu carreira no automobilismo para chegar à F1. Na visão da francesa, há quatro outros nomes com muito mais potencial do que a espanhola, hoje reserva da Lotus.
 
O conhecimento de causa que Mouton tem para falar do assunto é grande. Ela é, até hoje, a única mulher a vencer etapas do Mundial de Rali – quatro, ao todo. Também fechou a temporada 1982 com o vice-campeonato defendendo a Audi.
 
Atualmente, Mouton é presidente da Comissão para Mulheres no Automobilismo da FIA (Federação Internacional de Automobilismo).
Carmen Jordá é a nova pilota de desenvolvimento da Lotus (Foto: Lotus)
“Se eu fosse sugerir nomes de mulheres que têm o que é preciso para andar na F1, eu diria Simona de Silvestro, Danica Patrick, Susie Wolff ou até mesmo Beitske Visser, que está andando bem na World Series”, afirmou.

De Silvestro participou de algumas etapas da Indy neste ano depois de ter sido pilota de desenvolvimento da Sauber em 2014, Danica fez neste fim de semana sua 100ª largada na divisão principal da Nascar e segue como a única mulher a vencer uma corrida da Indy, em Motegi, em 2008, e Susie é pilota de testes da Williams na F1 já há três anos.

 
“Essas garotas conseguiram bons resultados em suas carreiras. Outras, de menos sucesso, conseguiram subir a escada do automobilismo, mas isso tem mais a ver com estratégias de marketing, e não estou interessada nisso”, comentou.
 
Jordá, anunciada pela Lotus durante a pré-temporada deste ano, jamais marcou pontos em três temporadas completas na GP3.
Italiana Giovanna Amati tentou, mas sem sucesso, se classificar para o GP do Brasil de 1992 pela Brabham (Foto: Forix)
Na F1, a última mulher a competir foi Giovanna Amati, em 1992, sendo que ela falhou na tentativa de se classificar para os três GPs em que foi inscrita. Ao todo, cinco mulheres competiram, e a única a pontuar foi Lella Lombardi, no GP da Espanha de 1975: ela fez 0,5 ponto.
 
Para Mouton, a questão é que não há mulheres o bastante participando do esporte. E, ainda segundo ela, o mais importante é que as moças tenham acesso a equipamentos iguais aos homens. É nisso que ela procura trabalhar dentro da FIA.
 
“Quando eu corria, eu tinha o mesmo equipamento que os meus adversários homens. Com equipamento igual, é bem fácil ver se você é bom ou não. Nosso objetivo é garantir que as garotas tenham equipamentos comparáveis. Está avançando, e estamos começando a ver resultados. Mas continuamos trabalhando duro com a ajuda das federações nacionais”, ressaltou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube