Verstappen aponta Red Bull “forte” em 2018, mas prevê problemas nas retas com motor Renault: “Vai ser doloroso”

A Red Bull segue preocupada com o rendimento do motor Renault. Max Verstappen acredita que, mesmo desenvolvendo o “forte” RB14, o GP da Austrália pode ser manchado por dificuldades em retas na comparação com Mercedes e Ferrari

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Max Verstappen vai disputar o GP da Austrália deste fim de semana com um velho problema em mente. Mesmo acreditando que a Red Bull desenvolveu um bom carro para a temporada 2018, o holandês acredita que a falta de potência do motor Renault ainda vai ser um ponto fraco na disputa direta com Mercedes e Ferrari.
 
Mesmo que Albert Park seja um circuito urbano, utilizando trechos de um parque, o holandês acredita que o layout da pista já oferece mais retas do que o recomendado para a Red Bull. Assim, os avanços do RB14 podem não ter tanto destaque.
 
“Acho que o carro, comparado com o ano passado, voltou a ter boas melhorias”, ponderou Verstappen. “Claro que todos melhoraram, mas a minha impressão pessoal é de que temos um carro forte. Ainda precisamos esperar e ver como o nosso pacote se comporta nas retas daqui. Definitivamente vai ser um pouco doloroso aqui. Sou otimista, mas também realista. Precisamos esperar e ver”, seguiu.
Max Verstappen teme problemas nas retas de Melbourne (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Desde a introdução dos V6 Turbo, em 2014, a Renault teve dificuldades para desenvolver motores realmente potentes. Com o passar dos anos, Mercedes e Ferrari se mostraram mais eficientes do que a montadora francesa.
 
Mas Verstappen não culpa só a Renault. O jovem piloto reconhece que, para realmente lutar de igual para igual com Mercedes e Ferrari, a Red Bull precisa melhorar na eficácia das atualizações.
 
“É isso [o motor] e o desenvolvimento do carro. Precisamos administrar isso da mesma forma que Mercedes e Ferrari”, apontou. “No passado isso foi um ponto forte da Red Bull, o desenvolvimento ao longo do ano. Precisamos esperar e ver como vai ser nesse ano. Tenho confiança de que a equipe pode construir um bom carro e manter isso. Mas, como disse, a questão é mais o conjunto completo que precisa estar correto”, encerrou.
 
As atividades do GP da Austrália começam já nesta quinta-feira (22). O primeiro treino livre começa às 22h (de Brasília). A corrida, no domingo, começa às 2h10min.

GRANDE PRÊMIO acompanha toda a movimentação da abertura da F1, na Austrália, AO VIVO e em TEMPO REAL.
 

”RECOMEÇA A BRIGA”

MERCEDES COMEÇA TEMPORADA AINDA À FRENTE DA FERRARI

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube