Verstappen lamenta falta de potência em retas, mas diz que quarto lugar na França “não foi ruim”

Max Verstappen foi o quarto colocado no modorrento GP da Franã deste domingo (23). Correndo "sozinho", não reclamou da posição, mas lamentou alguns problemas da Red Bull - principalmente a fraqueza do motor em retas

Max Verstappen largou em quarto e terminou na mesma posição na procissão que foi o GP da França deste domingo (23). Apesar da monotonia, o holandês não achou o resultado ruim – adjetivo utilizado apenas ao analisar o motor Honda de seu carro.

Para o holandês, a Red Bull andou melhor na parte final da corrida – que foi "solitária", segundo o próprio, já que esteve distante de qualquer rival na pista.

"Ao menos tive Charles (Leclerc, 3°) à vista", afirmou. "Forcei o tempo todo para ver o quão rápido poderia ir. Após a parada estávamos bem, mas depois perdemos o grip na parte traseira. Foi bom terminar à frente de uma Ferrari (Sebastian Vettel, 5°). Não é só questão de grip, mas também de velocidade para nós."

Max Verstappen (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Paddockast #22
O que torna uma corrida de qualquer categoria legal? E chata?

Sobre este último ponto, Verstappen foi bastante crítico: "Não foi um dia ruim, dei tudo o possível. A largada foi boa, mas dá para ver que estamos com pouca velocidade em retas."

"Tivemos que forçar muito os pneus, talvez demais. Mas não dava para ir além, então você pode até controlar o ritmo. Somos fracos em retas, e isso é puramente questão de potência. Motor e chassi devem ser melhores. Precisamos de mais downforce também, mas não é possível com o carro atual", concluiu.

Nesta citada briga com a Ferrari, Verstappen foi a 100 pontos e se aproximou de Vettel, que tem 111. Ele também se manteve à frente de Leclerc, que tem 87. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube