F1

Vettel descarta deixar Ferrari e diz que “felicidade e motivação seguem intactas”

Sebastian Vettel chega à Alemanha para disputar a corrida caseira no final de semana. O alemão falou sobre o fator especial de poder correr em frente a sua torcida, e comentou também sobre as possibilidades de uma possível aposentadoria ao final da temporada

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Sebastian Vettel tem um final de semana especial pela frente. A Fórmula 1 desembarcou na Alemanha para a corrida em Hockenheim, e além de falar sobre como é especial uma prova em solo caseiro, o alemão aproveitou também para comentar sobre as possibilidades de deixar a categoria.
 
A disputa em terras germânicas completa um ano do principal erro cometido pelo titular da Ferrari em 2018, onde bateu sozinho quando liderava com folga. Portanto, fecha um ciclo em que enfrentou diversos problemas que o colocaram fora da briga pelo título.
 
No entanto, o #5 está tentando se focar no fator de poder correr em frente a sua torcida. “Sempre é especial poder correr em seu país. No ano passado, estime muito próximo e veremos onde estou dessa vez”, disse durante a coletiva de imprensa.
 
“Em algumas corridas temos sido fortes e agora estamos abertos e positivos. Fará calor amanhã e depois vai refrescar. Não diria que preciso ganhar, só gostaria. Sendo realista, acredito que não somos os favoritos, mas sim que temos uma oportunidade. Vamos ver”, seguiu.
Sebastian Vettel (Foto: AFP)
Mas é claro que o tetracampeão também falou dos erros que têm cometido e sobre a pressão que tem sofrido. “Sempre coloco pressão em mim mesmo e às vezes as coisas saem mal e é verdade que alguns erros têm sido mais graves do que outros, mas é importante progredir e melhorar”, disse.
 
“Se falhar não estou feliz e a pressão que coloco em mim mesmo é maior que a que vem de fora. Sei quando fui bem ou mal e sou meu maior juiz. São as regras sob as quais jogo”, completou.
 
Com o desempenho abaixo do esperado e vendo Charles Leclerc crescer, os rumores de uma possível aposentadoria ao final de 2019 não param de surgir. Mas Vettel já descartou cravar qualquer coisa, ainda dizendo que vai esperar o novo regulamento de 2021 para decidir.
 
“Não neste momento [penso em trocar de equipe]. Não sei quanto mais estarei aqui [na F1], mas acredito que as Ferraris são os melhores carros que se pode pilotar e a felicidade de guiar segue intacta. A motivação é alta para voltar a vencer com a Ferrari. São os dois fatores que dirão se estou aqui muito tempo ou não”, comentou.
 
“Não sei o que farei aos 40 anos. Não acredito que tenha sentido pensar nele, porque Kimi não teria sabido aos 32. Dependerá de onde vai o esporte com as normas que chegam ou não em 2021 e então decidirei”, concluiu.
 

 
Paddockast #25
Bênçãos e Maldições da Fórmula E


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.