F1

Vettel diz que “dói estar tão atrás” e reclama da Ferrari por falatório no rádio: “Talvez não tenha ajudado”

Sebastian Vettel teve mais uma atuação abaixo da crítica neste domingo (12) de GP da Espanha. O alemão não passou do quarto lugar depois das inversões com Charles Leclerc pedidas pela Ferrari. O alemão reclamou das conversas frequentes no rádio para a troca de posições e lembrou que teve de arriscar na largada para lutar contra a dupla da Mercedes

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
Já são 13 corridas sem vitórias, e Sebastian Vettel não esconde o desconforto com o fato de não conseguir sequer lutar contra Lewis Hamilton e Valtteri Bottas pela ponta. O domingo (12) do GP da Espanha de Fórmula 1 foi mais um capítulo de uma temporada especialmente difícil para o tetracampeão do mundo, que terminou até atrás de Max Verstappen, da Red Bull, para cruzar a linha de chegada em quarto lugar em Barcelona.
 
Vettel fez uma boa largada e surpreendeu Valtteri Bottas ao chegar a colocar a Ferrari à frente do carro do finlandês. Mas um erro cometido na sequência da curva fez o alemão cair para o quarto lugar, sendo batido também por Max Verstappen, que assumiu a terceira colocação e a manteve até o fim. 
 
Seb e Charles Leclerc, que vinha logo atrás, estavam com estratégias distintas. Foi quando a Ferrari interveio e ordenou a Vettel que o monegasco fizesse a ultrapassagem, num gesto até surpreendente. Em princípio, Leclerc faria apenas uma parada para ir até o fim no segundo stint com os pneus duros, enquanto o alemão seguiria a estratégia padrão de dois pit-stops, alternando entre os pneus macios e os médios. Mas o safety-car por conta do acidente entre Lance Stroll e Lando Norris mudou as coisas para Leclerc, e Vettel terminou a corrida em quarto, com o jovem piloto logo atrás.

O resultado deste domingo fez Vettel cair uma posição no Mundial de Pilotos e ficar em quarto lugar, com 64 pontos, dois atrás de Verstappen e distante 48 de Hamilton, o novo líder do campeonato.
Sebastian Vettel não gostou do falatório no rádio para a execução da estratégia da Ferrari (Foto: AFP)
“O quarto lugar não é ruim, mas se você larga em terceiro não é tão bom. Tentei algo na primeira curva para tentar movimentar as coisas, mas deixei os pneus quadrados na primeira curva e isso comprometeu minha corrida. Perdi o pódio, é uma pena e tentei tudo para reagir. Mas, para sermos justos, só pude lutar com a Red Bull e foi difícil alcançar”, declarou o alemão pouco depois da prova.
 
“Vou continuar lutando, é por isso que eu estou aqui. Foi um fim de semana decepcionante. Queríamos estar à frente, mas agora estamos muito atrás. Só nos resta reagir”, acrescentou.
 
Via rádio, logo após a bandeira quadriculada, Seb não escondeu a decepção. “Sei que dói estar tão atrás, mas vamos lembrar que fazemos algo que amamos. Obrigado, obrigado a todos. Força Ferrari sempre”, disse, com o último trecho em italiano.
 
Em entrevista coletiva, de forma mais detalhada, Vettel explicou a manobra que tentou fazer na primeira volta e o motivo pelo qual não conseguiu lutar com Verstappen pelo pódio.
 
“Hoje, do jeito que a corrida aconteceu, nós mais ou menos maximizamos os pontos. Acho que tive uma chance de pódio, mas deixei o pneu quadrado na curva 1 e isso comprometeu minha corrida, mas queria tentar alguma coisa para movimentar as coisas. Sabia que não venceria a corrida na primeira curva, mas ao menos pensei que poderíamos movimentar as coisas com a Mercedes e depois lutar um pouco mais com todo mundo”, contou.
 
“Depois disso, acho que Charles estava em uma estratégia diferente. Com o safety-car, obviamente, sua estratégia ficou arruinada”, emendou Vettel.
 
O alemão chegou a reclamar da Ferrari por conta do falatório no rádio em razão das estratégias diferentes adotadas entre os pilotos. “Acho que tentamos fazer o trabalho juntos o máximo possível, mas obviamente, toda vez que tentávamos fazer alguma coisa, teve muita conversa depois, o que talvez não tenha ajudado a ser um pouco mais reativo. Mas acho que hoje foi ok”.
 
“Acho que nós conversamos muito no rádio e não pude ver muita coisa. Meu ritmo era bom. A partir daí, foi difícil reagir. Então, após o safety-car, nós estávamos virando no mesmo ritmo que Max, por isso foi difícil ultrapassar. Temos de conversar sobre isso internamente, mas tentamos fazer nossa corrida. No começo, Charles estava mais perto, e no segundo stint eu não sabia se ele estava em outra estratégia. Tentamos as coisas, mas isso não importa”, finalizou.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.