W Series vê ausência de pilotas no grid da F1 nos próximos 40 anos “sem intervenção certa”

Catherine Bond Muir destacou a falta de mulheres na principal categoria do automobilismo mundial. A dirigente apontou como é necessária intervir para não passar as próximas décadas sem representantes entre os competidores

Catherine Bond Muir falou sobre a escassez de mulheres na Fórmula 1. A diretora-executiva da W Series apontou que é necessária uma intervenção para que mais pilotas consigam chegar ao grid da categoria.
 
Em seus 70 anos de história, a principal categoria do automobilismo mundial só teve cinco mulheres envolvidas em um final de semana de corrida. Entretanto, apenas duas conseguiram se classificar para largar. Pontuando, apenas uma: Lella Lombardi chegou em sexta no GP da Espanha, em 1975, somando meio ponto.
 
“A história das mulheres na Fórmula 1 é um pouco sombria. O campeonato começou em 1950 e, desde então, apenas cinco mulheres participaram e, delas, apenas duas realmente se classificaram e correram uma prova – Lella Lombardi e Maria Teresa de Fillipis”, relembrou.
Lella Lombardi foi a única mulher a pontuar na F1 (Foto: Divulgação)
“Mas isso faz muito tempo e já faz mais de 40 anos desde que uma pilota largou em uma prova da Fórmula 1 e, sem a intervenção certa, é fácil ficarmos mais 40 anos sem. Olhando para trás através de fotos e histórias de corrida, sempre fui impactada pela falta de diversidade cultural e de gênero”, seguiu.
 
“Cara, era um mundo de homens ricos. Apesar de algumas coisas terem mudado desde então, ainda há um grande desafio pela frente se quisermos ver uma mulher no grid da F1 e ainda mais no degrau mais alto do pódio”, continuou.
 
“Apesar de que esse é nossa missão a longo prazo, estou ciente do poder da W Series e do poder de suas pilotas vai mais além, e honestamente, ultrapassa a pista de corrida. No último ano, Jamie Chadwick venceu na W Series, uma pilota extremamente talentosa e comprometida e uma maravilhosa embaixadora da mulher no esporte a motor”, concluiu.
 
As outras três mulheres que engrossam a lista de pilotas na Fórmula 1 são Divina Galica, Desiré Wilson e Giovanna Amati. Sarah Fisher, Katherine Legge, Susie Wolff e María de Villota são outros nomes de competidoras que chegaram a comanda um carro da F1.
 

 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube