Webber critica F1 “muito técnica” e pouco inspiradora para fãs: “O público quer ver heróis e gladiadores”

Mark Webber não está exatamente animado com a F1. Perto de decidir o título do Mundial de Endurance, Webber vê a F1 com o pessimismo de muitos fãs e o saudosismo que impera no esporte

Mark Webber é mais um no coro de que a F1 não é mais o que costumava ser tempos atrás. Brigando pelo título mundial do Mundial de Endurance, Webber criticou o excesso de tecnicalidades na F1 e a falta de incentivos para os fãs acompanharem a entenderem o que se passa.
 
Como exemplo, Webber pegou os preços altos dos ingressos para os autódromos e misturou com a diminuição da velocidade dos carros. Para ele, não há muito motivo para pagar tanto quando o atual campeão mundial cruza as curvas na mesma velocidade que os carros da GP2.
Ron Walker com Mark Webber, Daniel Ricciardo e Bernie Ecclestone em 2013 (Foto: Getty Images)
"Ontem à noite eu estava em um hotel em Graz e assisti uma corrida do Senna da câmera do cockpit. Por que eu faria isso hoje? Porque a F1 não é mais de figuras. É muito técnica, não inspira mais os fãs. O público quer ver heróis e gladiadores, mas a F1 não entrega mais isso", avaliou.
 
"Você compra uma entrada por €500 [cerca de R$ 2.200] e vê Lewis Hamilton saindo da curva. Depois disso, vê a GP2 e Mitch Evans sai da curva com a mesma velocidade que Hamilton. Mas por isso ninguém quer gastar €500", disse.
 
Seguiu dizendo que é algo crítico quando nem ex-pilotos, como ele, entendem mais do que se trata. "Quando caras como eu, que estiveram no meio da ação por tanto tempo, não entendem mais o esporte, então como o fã normal vai entender?", questionou.
 
Webber ficou na F1 por 12 temporadas, entre 2002 e 2013, por Minardi, Jaguar, Williams e Red Bull. Nesse período, participou de 215 GPs e venceu nove.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube