Williams aponta “limite de recursos” e corre para levar segundo chassi ao Japão

O forte acidente de Alexander Albon no TL1 do GP da Austrália segue uma dor de cabeça para a Williams, que agora corre contra o tempo para arrumar o segundo chassi até o Japão e correr com os dois pilotos

O GP da Austrália foi caótico para a Williams. Logo no primeiro dia de treinos, a equipe viu Alexander Albon bater o carro com força na curva 7 e destruir o chassi. No fim do TL2, o time decidiu dar o carro de Logan Sargeant para o tailandês e correr com apenas um bólido no restante do fim de semana por conta de falta de peças.

A polêmica decisão fez com que a Fórmula 1 tivesse um grid com apenas 19 carros em Melbourne e a Williams ficou com um clima pesado no paddock. Agora, a disputa da equipe é resolver o problema e consertar o carro antes da próxima etapa, no Japão. O chefe James Vowles, porém, mantém a confiança no trabalho, mesmo sem dar 100% de participação dos dois pilotos.

Relacionadas


“Vamos ter dois chassis no Japão, mas não acho que teremos um terceiro por conta do trabalho que agora temos. Há uma quantidade limitada de recursos. Ou você garante os dois carros na corrida com a quantidade correta de peças, ou um chassi adicional”, afirmou o dirigente.

“A caixa de câmbio [no acidente de Albon] se dividiu em duas partes, a área do motor ficou completamente torta e o motor basicamente já era. O chassi, na parte dianteira direita, onde vai a suspensão, ficou torto. Não há melhor maneira de descrevê-lo”, acrescentou Vowles.

Alexander Albon foi o único piloto da Williams no GP da Austrália (Foto: Williams)

Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Por conta dos grandes problemas, Vowles não quis garantir que a Williams vai participar da etapa de Suzuka com os dois carros no grid, mas destacou que qualquer avanço só será feito com a volta para a Europa, depois da passagem da F1 pelo continente asiático.

“É difícil até levar o chassi fisicamente de volta, só para ter uma noção de como a situação é complicada. Ninguém consegue dar 100% de certeza. O que posso dizer é, baseado em evidências, é que o que foi feito até aqui parece bem possível. Já vi chassis em piores estados voltarem”, destacou.

Fórmula 1 retorna com a temporada 2024 em duas semanas, entre os dias 5 e 7 de abril, com o GP do Japão, em Suzuka.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.