F1

Williams passa vergonha histórica em Sóchi, e economia de peças é injustificável

Williams economizou peças sem motivo algum em Sóchi. Time sequer indica avanço que justificasse tamanho desrespeito com Robert Kubica. Decisão na Rússia foi o episódio mais vergonhoso da história da equipe

Grande Prêmio / GABRIEL CARVALHO, de Campinas
A Williams conseguiu superar qualquer expectativa negativa que foi colocada antes do GP da Rússia. O ritmo dos carros se manteve muito ruim e nada competitivo. O promissor George Russell foi vítima de um problema nos freios e acabou no muro, e um dos momentos mais vergonhosos da história da equipe aconteceu em seguida. Robert Kubica abandonou a corrida por ordem da equipe, visando economizar peças para as corridas finais do campeonato.
 
Afinal, o que a Williams quer economizar? Qual seria o motivo para tomar tal atitude? O ritmo da equipe segue absurdamente pífio, sem incomodar a segunda pior equipe do grid. Russell e Kubica seguem como pilotos passageiros, tomando voltas como se fossem carros LMGTE Am competindo contra LMP1 no WEC.
 
"Hoje foi difícil e absurdamente frustrante para o time. Utilizamos o Safety-Car do início para fazer dois pit-stops no Robert, visando terminar a prova de pneus médios. Ao mesmo tempo, conseguimos deixar o George em um stint longo até o Safety-Car virtual proporcionar uma oportunidade de um pit-stop para o pneu da classificação. Infelizmente, um problema após a relargada causou uma travada na roda dianteira, e batendo. Optamos por tirar o Robert da corrida após, visando economizar peças do carro antes das intensas corridas que encerram o ano. É decepcionante terminar assim", declarou Dave Robson, engenheiro-chefe do time tentando justificar a decisão.
George Russell (Foto: Williams)
A Williams não tem perspectiva alguma de melhora, nem assinando uma extensão até 2025 com a Mercedes. De uma certa forma, é até surpreendente que a montadora alemã siga com o time de Grove como cliente. A escolha foi feita indicando que uma só equipe [Racing Point] não seria suficiente para olhar o desempenho do motor, mas fica a dúvida do que consegue ser analisado em um carro tão ruim.
 
O abandono forçado de Kubica em Sóchi também foi um dos grandes desrespeitos já vistos com algum piloto na Fórmula 1, e justamente com um que tem uma das histórias mais bonitas de recuperação de todos os tempos. Independente do seu desempenho ser péssimo por conta do carro ruim e das limitações físicas, ele não merecia passar por tal humilhação.
 
“Acho que esse é o pior fim de semana da minha carreira”, disse Kubica. “Não do ponto de vista da pilotagem, mas acho que o fim de semana foi muito decepcionante por vários motivos”, seguiu.
 
Mesmo economizando peças, é improvável que a Williams faça algum tipo de esforço final para melhorar seu desempenho em 2019. Muitas equipes já olham para o próximo ano, e a atitude em Grove deveria ser a mesma, aceitando que este é o capítulo mais vergonhoso de sua história e buscar algum tipo de resposta.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.