Williams revela lucro total de R$ 40 milhões na temporada 2016 e carimba boa fase financeira na F1

O balanço financeiro de 2016 terminou com resultados positivos para a Williams. Depois de anos com prejuízo, os britânicos fecharam o segundo ano seguido com lucros – e ainda maiores do que os alcançados em 2015

 
Não é muito fácil conseguir estabilidade financeira na F1. Em um universo de custos exorbitantes e alta competitividade, é comum ver equipes mergulhando no prejuízo. Com a Williams, a história é outra: depois de resultados financeiros positivos em 2015, os britânicos repetiram a dose em 2016 e tiveram lucro de £ 12.4 milhões – aproximadamente R$ 40 milhões.
 
O número se refere exclusivamente à operação da Williams na F1. Mas fora do campeonato a situação também é boa: a Williams Advanced Engineering, divisão de tecnologias da marca, conseguiu aumentar a renda em 74%, consequência direta do foco no desenvolvimento de baterias para carros elétricos.
 
“Nossos resultados financeiros de 2016 representam um avanço contínuo, com um aumento na renda tanto na F1 quanto na área de engenharia. Depois de uma reestruturação completa ao longo dos últimos dois anos, conseguimos novos ganhos em 2016. Nosso divisão de F1 continua gerando lucros, apesar do grandes níveis de gastos naquele que pode ser considerado o esporte mais duro para finanças”, disse Mike O’Driscoll, diretor executivo da Williams.
A Williams está fortalecendo suas finanças (Foto: Divulgação)
“Conseguimos reforços importantes para a equipe técnica, dando sequência à missão de melhorar nossa performance na pista. Além disso, a equipe segue atraindo algumas das principais marcas do mundo e existe otimismo em relação ao potencial do esporte sob comando do Liberty Media”, completou.
 
Os resultados parciais de 2016 já indicavam um fim de ano positivo: ao fim do primeiro semestre, a Williams já contava com lucro de R$ 18 milhões. Para 2017, a história pode ser outra: como caiu de terceiro para quinto no Campeonato de Construtores, os britânicos vão perder dinheiro da premiação da F1.
 
O GP da China, o segundo do campeonato, acontece neste fim de semana, e o GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades em Xangai AO VIVO e em TEMPO REAL.
 

PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube