F1

Wolff vê terceiro carro como solução para saída da Red Bull da F1, mas frisa: “Prioridade é que eles fiquem no esporte”

Chefe da Mercedes, Toro Wolff afirmou que a adoção do terceiro carro na F1 seria a opção mais provável no caso da saída da Red Bull do Mundial. Ainda assim, dirigente destacou que a prioridade é manter o time dos energéticos no esporte

Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Chefe da Mercedes, Toto Wolff acredita que uma eventual saída de Red Bull e Toro Rosso da F1 resultaria na introdução de times com um terceiro carro. O dirigente lembrou que essa medida já foi discutida anteriormente como solução para encher o grid.
 
Insatisfeita com a performance dos motores Renault, a Red Bull rompeu com a fábrica francesa, mas ainda não conseguiu um fornecedor para 2016. As negociações com a Mercedes não deram certo e os rubro-taurinos não gostaram da proposta da Ferrari de entregar motores defasados para os carros de Daniel Ricciardo e Daniil Kvyat.
Toto Wolff ressaltou que a saída da Red Bull seria uma grande perda para a F1 (Foto: Mercedes)
Assim, a Red Bull ameaça deixar a F1, levando junto a Toro Rosso, o que deixaria a F1 com um grid de apenas 18 carros, já que a Haas se junta ao Mundial no próximo ano.
 
“Sim, se um time sair, e nós tivéssemos essa discussão sobre a Lotus um tempo atrás, o terceiro carro seria uma solução para encher o grid”, disse Wolff. “Para mim, pessoalmente, é uma ideia bem empolgante. Eu preferia ter a Red Bull no esporte do que um terceiro carro e um grid de 27 ou 28 carros, e alguns jovens e empolgantes pilotos”, seguiu.
 
 “Mas esta é, definitivamente, uma das soluções”, admitiu.
 
Wolff, entretanto, contou que não houve nenhuma conversa recente sobre a possibilidade da introdução do terceiro carro, tampouco sobre a ameaça de Dietrich Mateschitz de deixar o Mundial.
 
“Não, pois acho que a prioridade número um é mantê-los no esporte”, opinou. “Não é uma boa notícia se uma marca e um time do pedigree da Red Bull deixam o esporte — isso está absolutamente claro e nós somos muito conscientes disso”, assegurou.
 
“Isso afetaria a plataforma e teriam notícias ruins circulando. Você sabe o quanto eu batalhei por notícias positivas em torno da F1, então não é a melhor notícia”, seguiu. “Espero que qualquer decisão que eles tomem seja em favor da F1 e do crescimento da F1, e que seja tomada em favor do lado competitivo”, declarou.
 
Ainda assim, Toto falou que, assim como a maioria das pessoas, não sabe dizer o quão sérias são as ameaças da Red Bull.
 
“Eu não sei, pois nós todos ouvimos as ameaças e não posso julgar”, comentou. “Fundamentalmente, tem uma pessoa que vai tomar essa decisão e não posso dar uma opinião, porque eu não sei”, concluiu.