Guia FE 2017/18: Rosenqvist vê FE “com bem menos limites” e diz preferir luta por vitórias do que fundo do grid na F1

Felix Rosenqvist chegou para ficar na Fórmula E. O sueco de 26 anos estreou na temporada passada ao bordo do carro da Mahindra e não decepcionou. Dono de um currículo vitorioso, o piloto agora se coloca como um nome de destaque e até candidato a título na categoria dos carros elétricos

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Contratado pela Mahindra, Felix Rosenqvist fez uma temporada de estreia na Fórmula E “além do que imaginava”, sendo o melhor ‘rookie’ de 2016/2017. O sueco de 26 anos tirou a equipe de resultados irregulares e a colocou no topo do pódio com uma vitória em Berlim. Também foram cinco pódios e três poles. A campanha do piloto foi tão impressionante que seu nome chegou a figurar entre os candidatos ao título. Agora, prestes a iniciar sua segunda jornada no campeonato dos carros elétricos, Felix quer mais da disputa que começa neste fim de semana, em Hong Kong. 

 
"Considerando que eu entrei no campeonato como um estreante com a Mahindra, time que ocupava na época o posto azarão, posso dizer que a temporada foi muito melhor do que qualquer um de nós esperava", disse Rosenqvist em entrevista exclusiva ao GRANDE PREMIUM.
Felix Rosenqvist substituiu Senna como piloto da Mahindra na F-E (Foto: Twitter/Felix Rosenqvist)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Duas vezes vencedor do prestigiado GP de Macau de F3 e campeão da F3 Euro, o piloto de 26 anos se mostrou à vontade na FE. "Acho que o campeonato está apenas no início de uma longa história", afirmou. “Estamos dando aos fãs corridas acirradas e difíceis. E é isso que as pessoas querem ver. Enquanto a FE continuar seguindo exatamente esse caminho, tenho certeza que teremos um futuro brilhante”, completou.

 
Por isso, Rosenqvist não hesita ao ser questionado sobre uma eventual chance na F1. “Eu prefiro vencer corridas da FE a brigar no fundo do grid ou em uma equipe não competitiva da F1. Sempre mantenho meus olhos e ouvidos abertos. E, sim, seria um sonho guiar um F1 algum dia, mas estou feliz. Vamos ver o que acontece…", concluiu.
 
O sueco ainda falou sobre a versatilidade de sua carreira e o quanto gostou da experiência na Indy. A entrevista completa com Rosenqvist está no GRANDE PREMIUM nesta quarta-feira. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube