Buemi relata problema em software da Nissan e se defende após acidentes no Chile: “Culpa não é minha”

Uma batida no primeiro treino livre e outra na parte final da corrida, quando liderava a prova. Sébastien Buemi teve um sábado com dois acidentes e Santiago, mas garante que não foram erros comuns dele. Pelo contrário, surgiram de um problema eletrônico no carro da Nissan

Sébastien Buemi tinha ótimas condições para vencer o eP de Santiago do último fim de semana – ou pelo menos para marcar bons pontos na prova chilena. Mas um acidente, um choque contra o muro alguns minutos antes do fim da prova, acabou com a participação do suíço e colocou Sam Bird em posição para vencer a etapa. Buemi, entretanto, garante: a batida não foi culpa dele.
 
De acordo com o campeão da segunda temporada da FE, o que aconteceu foi uma falha de softwares durante todo o sábado. Dessa falha nasceu a batida ainda mais forte que teve durante o primeiro treino livre e, mais tarde, a da corrida. 
 
"Não tenho muito a dizer sobre esse problema. A única coisa que posso dizer é que não foi minha culpa", afirmou à versão latina do site norte-americano 'Motorsport.com'.
 
"Basicamente tivemos problemas com o software durante o dia, os quais estiveram relacionados à batida do TL1, uma pancada forte. E esse foi relacionado a um pequeno problema no software. Infelizmente tive outro problema na corrida que se apresentou desde a primeira volta e fez com que a batida acontecesse. Não me ajudou", contou.
Sébastien Buemi (Foto: Nissan)

Em meio ao que acabou sendo uma etapa promissora, mas com final ruim, Buemi tenta ao menos tirar o que de bom passou. Afinal, recebeu os pontos da pole-position – após a punição a Lucas Di Grassi – e vinha à frente de um trio de pilotos que havia se afastado do resto do pelotão. Buemi, Bird e Pascal Wehrlein brigavam sozinhos pela vitória.

 
"O ritmo da classificação é bom. O ritmo de corrida foi realmente ruim em Riad, muito melhor em Marrakech e foi muito bom aqui também. Tudo bem, Sam estava vindo com Wehrlein, mas o resto estava bem atrás. Já que foi um dia ruim, trato de pegar o lado positivo já que o ritmo de hoje foi bom", seguiu.
 
O piloto foi questionado se, caso os problemas de software não tivesse aparecido, a Nissan poderia ter o carro mais veloz na pista. Buemi acredita que sim. 
 
"Claro. Infelizmente é parte do jogo e talvez outros pilotos pudesse dizer que tiveram problemas, mas esse problema estava custando tempo nas minhas voltas. Caso o asfalto tivesse em boas condições, se não fosse tão ruim, perder o ponto de maior velocidade das curvas não seria um grande problema, mas perder depois do asfalto já estar em pedaços, você acabava batendo nas pedras [do asfalto quebrado]", falou. 
 
Chefe da Nissan, François Sicard, também defendeu Buemi e confirmou a dificuldade da equipe em Santiago.
 
"Não foi culpa dele, tivemos um problema com os freios. Por sorte não terminou machucado, mas podia ter sido bem feio", argumentou. "Mas comprometeu muito o dia e tivemos um grande trabalho por parte dos mecânicos para reconstruir o carro e deixá-lo pronto para o TL2. Seb fez um excelente trabalho para recuperá-lo", pontuou.
 
"É algo que temos que analisar para termos certeza do que acontece. Tivemos um pequeno problema, acredito. Algo que não estava ajudando o piloto", encerrou. 
 
A FE volta em três semanas, no dia 16 de fevereiro, direto da Cidade do México.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube