FE

Com dobradinha na mão, Da Costa e Sims batem e entregam vitória para D'Ambrosio em Marrakech

A BMW dominou por completo o eP de Marrakech deste sábado (12). António Félix da Costa saiu de uma punição para a vitória, a segunda em duas corridas da temporada, enquanto Alexander Sims colou nele. Tudo perfeito, até que os dois colidiram e entregaram a vitória para Jérôme D'Ambrosio
Warm Up / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
A BMW mostrou mais uma vez que é muito forte. No eP de Marrakech deste sábado (12), António Félix da Costa e Alexander Sims passaram como dois tratores pelos rivais e chegaram a abrir 3s para o terceiro colocado. A vitória estava tão certa que apenas os dois poderiam tirar a vitória um do outro. E foi exatamente o que fizeram quando colidiram. Fora do caminho, entregaram a vitória para Jérôme D'Ambrosio, que fazia uma corrida de almanaque. Demitido da Dragon no fim da temporada passada, D'Ambrosio encontrou nova casa e nela entrega uma vitória e dois pódios nas primeiras duas corridas. Nada mal.

D'Ambrosio largou em décimo, ganhou as primeiras colocações após o acidente da laragada, quando Jean-Éric Vergne se afobou na tentativa de ultrapassar Sam Bird e caiu para último. Levou consigo Mitch Evans, Sébastien Buemi e Nelsinho Piquet, abrindo espaço, que ampliou com o abandono de Pascal Wehrlein. Mas D'Ambrosio colocou no trem dos primeiros colocados. Mesmo sem usar o modo ataque, emplacou para tirar da frente Lucas Di Grassi, Robin Frijns e Sam Bird.
Jérôme D'Ambrosio (Foto: Mahindra)
Quando, já na reta final da corrida, acionou o modo e começou a se aproximar dos líderes da BMW, ganhou de presente o lugar que os dois ocupavam. Foi a terceira vitória dele na categoria, mas primeira fora do 'tapetão': em Berlim 2015 e Cidade do México 2016, herdou a vitória com punições posteriores a Di Grassi.
 
Frijns ainda levou a melhor contra o companheiro Bird, mas ambos levaram a Virgin ao pódio. Sims tentou atacar a dupla para ao menos voltar ao pódio, mas não conseguiu e fechou em quarto. Vergne se recuperou o bastante para terminar em quinto, ao lado do companheiro André Lotterer. Lucas Di Grassi, sem usar bem o último dos dois modos de ataque, ficou em sétimo. Buemi, Evans e Daniel Abt fecharam o top-10.
 
Piquet, prejudicado gravemente com o erro de Vergne, ficou em 14º, enquanto Massa, que largou bem e chegou a ganhar posições, ficou na 18ª e última colocação entre aqueles que terminaram. 
 
A FE agora volta em duas semanas, no dia 26 de janeiro, direto de Santiago.

Confira como foi o eP de Marrakech:

A largada (Foto: Virgin)
Com António Félix da Costa o único punido com a perda de três posições por exceder o limite de energia na volta mais lenta durante a fase de grupos da classificação. Acabou largando em sexto. 
 
Na partida, Jean-Éric Vergne fez um movimento inesperado e desesperado na primeira curva, tentando garimpar um espaço que não existia para deixar Sam Bird para trás. Os dois se tocaram, e Bird deu sorte de escapar ileso e líder, mas Vergne rodou e atrapalhou uma gama de outros pilotos que vinham logo atrás. O francês caiu para último, mas Sébastien Buemi perdeu dez posições, Mitch Evans e Nelsinho Piquet também foram gravemente prejudicados ao precisarem desviar do traçado.
 
Outros, ao contrário, aproveitaram. Lucas Di Grassi saiu de 11º para sexto mesmo passando por dentro da confusão. Felipe Massa e Edoardo Mortara também ganharam boas posições. Pascal Wehrlein, que estreava, teve de abandonar após a primeira volta, única vítima terminal de todo o problema. Enquanto isso, as duas HWA se acharam: pneu furado para Gary Paffett e danos terminais para Stoffel Vandoorne. 

Nas primeiras colocações, Da Costa fazia o movimento para ultrapassar o companheiro Sims e tomar o segundo lugar. O português voava e já encostava na traseira de Bird. A ultrapassagem parecia questão de tempo.
 
Quem também ultrapassava era Massa, que deixava Oliver Rowland para trás e dava a impressão de que faria uma corrida especial. Mas não aconteceu. Logo perdeu ritmo e foi ficando para trás. O ritmo era fraco demais, dando a sensação de que havia algum problema que o empurrara para o último lugar entre os 19 pilotos ainda na pista.
 
Modo de ataque explicado para a corrida: dois acionamentos necessários, cada um com quatro minutos de duração. E o FanBoost foi para os já fora Wehrlein e Vandoorne, mas também Buemi, Massa e Da Costa.
 
O português voou para cima de Bird. Na entrada da chicane, colocou a BMW por dentro e fez a ultrapassagem. Bird saiu do traçado, volto e tentou alinhar um contra-ataque, mas o que aconteceu foi que Sims tomou dele o segundo lugar. A dupla da BMW ia embora com o comando da corrida.

O pelotão dos seis primeiros colocados estava quase junto: as BMW, Bird, Robin Frijns, Di Grassi e Jérôme D'Ambrosio. Entre modo de ataque de um e outro, Di Grassi ultrapassou as duas Virgin - primeiro Frinjs, depois Bird -, mas D'Ambrosio deixou todo mundo para trás e assumiu o terceiro lugar. Começou, então, uma briga particular pelo terceiro posto entre Jérôme e Lucas, enquanto Bird e Frijns permaneciam bem atrás. 
 
Após a queda para o fim do pelotão, Vergne se recuperava. Enquanto a briga pelo pódio esquentava, Vergne aparecia já na sétima posição. Passara até Buemi, que também se recuperava e já aparecia entre aqueles que marcavam pontos. Era o décimo após 20 minutos.
 
Com a última ativação do modo de ataque, Frijns e Bird ultrapassaram Di Grassi - o holandês também deixou o companheiro para trás. Foi esse ínterim que deu espaço para D'Ambrosio, até então único que não havia utilizado o ataque, fazer uso do benefício sem que fosse ultrapassado. D'Ambrosio encostou bastante nos dois primeiros colocados, que apareciam 3s à frente, quase como uma miragem desértica.


Mas havia tempo. Sims, com o modo de ataque acionado, foi para cima de Da Costa, que se assustou. Em vez de contornarem a curva final, ambos passaram reto, assustados e com um toque. Da Costa foi ao muro e abandonou, mas Sims voltou, embora com posições perdidas. D'Ambrosio, que se aproximava mais para assistir de perto que outra coisa, asusmiu a ponta. 

O safety-car foi chamado. Na relargada, Sims tentou voltar, mas nao conseguiu: ficou em quarto, fora do pódio. D'Ambrosio ganhou, com Frijns e Bird atrás. Di Grassi, que acabou sem ter como aproveitar bem o último modo de ataque, ainda perdeu a sexta colocação para André Lotterer e ficou em sétimo. 

FE, eP de Marrakech, Resultado Final:

1 JÉRÔME D'AMBROSIO BEL MAHINDRA 31 voltas  
2 ROBIN FRIJNS HOL VIRGIN AUDI +0.143  
3 SAM BIRD ING VIRGIN AUDI +0.461  
4 ALEXANDER SIMS ING BMW +0.740  
5 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA TECHEETAH DS +1.232  
6 ANDRE LOTTERER ALE TECHEETAH DS +1.457  
7 LUCAS DI GRASSI BRA AUDI +1.633  
8 SÉBASTIEN BUEMI SUI NISSAN +2.455  
9 MITCH EVANS NZL JAGUAR +2.980  
10 DANIEL ABT ALE AUDI +4.014  
11 JOSÉ MARÍA LÓPEZ ARG DRAGON PENSKE +4.528  
12 MAXIMILIAN GÜNTHER AUT DRAGON PENSKE +6.034  
13 EDOARDO MORTARA ITA VENTURI +6.790  
14 NELSINHO PIQUET BRA JAGUAR +6.833  
15 OLIVER ROWLAND ING NISSAN +7.529  
16 OLIVER TURVEY ING NIO +9.241  
17 TOM DILLMANN FRA NIO +9.665  
18 FELIPE MASSA BRA VENTURI +10.250  
19 ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA POR BMW +6 voltas NC
20 GARY PAFFETT ING HWA VENTURI +28 voltas NC
21 PASCAL WEHRLEIN ALE MAHINDRA +31 voltas NC
22 STOFFEL VANDOORNE BEL HWA VENTURI +31 voltas NC