FE

Com ultrapassagem memorável, Di Grassi deixa Wehrlein para trás na chegada e vence no México

O eP da Cidade do México foi marcado por um acidente muito forte logo no começo, quando Nelsinho Piquet levantou voo ao tocar em Jean-Éric Vergne. No fim, quando parecia que Pascal Wehrlein venceria, Lucas Di Grassi tirou do bolso uma ultrapassagem incrível e ficou com a vitória para ele

Grande Prêmio / PEDRO HENRIQUE MARUM, de Cabo Frio


Lucas Di Grassi foi o primeiro vencedor da Fórmula E, quase cinco anos atrás, e já ganhou corridas após largar na última colocação. Tem, portanto, seu número de vitórias marcantes na categoria. Mas é difícil imaginar uma semelhante a este sábado (16) na Cidade do México. Uma ultrapassagem marcante para cima de Pascal Wehrlein na linha de chegada garantiu o primeiro triunfo de Lucas na temporada para a Audi. Absolutamente impressionante.

Di Grassi foi ultrapassado por Oliver Rowland na largada e demorou quase a corrida inteira para retomar a segunda colocação. Depois, foi para cima de Wehrlein. Di Grassi parecia mais rápido, mas viu seu modo ataque terminar enquanto o alemão, a quatro minutos do fim, ainda tinha o dele. A sensação era de fim de festa, mas Lucas conseguiu fazer com que Pascal não se afastasse. Atacou mais uma vez. Passou na chicane final da última volta, mas Wehrlein cortou a curva e seguiu na frente - acabou punido com 5s por isso. 
 
Di Grassi não capitulou. Atacou loucamente na reta dos boxes e passou por um espaço ínfimo para não apenas vencer a corrida, mas também receber a bandeirada na frente. Wehrlein diminuiu o ritmo metros antes da bandeirada, e Lucas jogou pelo muro. Caso encerrado. Após Sam Bird, Di Grassi é segundo piloto a vencer corridas nas cinco temporadas da FE. 
 
Com a punição de 5s a Wehrlein, o alemão caiu apenas para a sexta colocação. António Félix da Costa herdou o segundo lugar e Edoardo Mortara levou a Venturi para o pódio. Jérôme D'Ambrosio chegou no quarto posto para retomar a liderança do campeonato, enquanto André Lotterer, Wehrlein, Mitch Evans, Felipe Massa, Sam Bird e Daniel Abt encerraram o top-10.

O momento marcante do dia e que atrasou a corrida em 30 minutos, aproximadamente, foi o acidente forte de Nelsinho Piquet com Jean-Éric Vergne. O piloto da Jaguar ficou sem ação na defesa de posição do atual campeão, acertou na roda traseira direita da DS Techeetah e levantou voo, acertando ainda a traseira de Alexander Sims. Piquet ficou com a frente do carro destruído, enquanto os outros dois envolvidos voltaram para a corrida. Vergne foi 13º e Sims fechou em 14º.
 
A FE agora volta em pouco menos de um mês. No dia 10 de março, em Hong Kong, ao campeonato vê sua quinta etapa. 
Lucas Di Grassi (Foto: Audi)
Confira como foi o eP da Cidade do México:
 
O grande personagem da largada no Hermanos Rodríguez foi Oliver Rowland. O francês da Nissan mergulhou da quarta colocação para a segunda enquanto Lucas Di Grassi tentava incomodar um Pascal Wehrlein que assumiu linha segura. Rowland deixou Di Grassi e Felipe Massa para trás. Sébastien Buemi e António Félix da Costa também passaram Massa.
 
Felipe Nasr sofreu um toque de Oliver Turvey quando ocupava o 14º lugar e acabou rodando e caindo para o fim do pelotão.
 
Nelsinho Piquet largou em 11º e foi com sede ao pote. Ganhou duas posições quase que imediatamente. Mirou em Jean-Éric Vergne, então, e atacou o campeão. Vergne tentou se defender, de forma limpa, diga-se, mas Piquet foi otimista e forçou o carro. Tocou a roda traseira direita da DS Techeetah e levantou voo. Na queda, ainda tocou a traseira da BMW de Alexander Sims. 
 
A organização da corrida primeiro pediu a bandeira amarela de pista inteira - o full course yellow. E logo na sequência deu bandeira vermelha. O relógio continuava seguindo mesmo assim, apesar dos carros encostarem no pit-lane. 

A frente da Jaguar de Piquet ficou totalmente destruída, enquanto Sims precisou ir aos boxes antes da vermelha para mudar a asa traseira do carro. Vergne também resistiu o bastante para seguir na corrida. Conforme a bandeira vermelha foi chamada, o relógio seguiu rolando. Após muita dúvida, a FE confirmou que recolocaria o tempo no relógio.


 
Durante a parada, três pilotos foram colocados sob investigação: José María López, Nasr e Turvey por cortar chicane, enquanto. López também estava investigado por passar do limite de velocidade no pit-lane e exceder o limite de força no regenerador de energia. De todos esses, apenas López, pelo regenerador, recebeu uma punição: um drive-through. A outra investigação eram Vergne e Piquet pelo acidente. 
 
Depois de quase 30 minutos sem corrida, o retornou foi às 20h35 (de Brasília) com o safety-car por duas voltas. A bandeira verde já veio com a liberação do moto de ataque. 
 
Com todo mundo de modo de ataque acionado, Da Costa tentou mergulhar de qualquer forma contra Buemi e quase forçou um acidente forte. O toque entre os dois carros houve, pois.
 
Os vencedores do FanBoost foram Stoffel Vandoorne, Daniel Abt, Da Costa, Buemi e Di Grassi 
 
Bem atrás após largar em último, Sam Bird tentava ganhar caminho e chegava na briga pelo 14º posto após 15 voltas - disputa, aliás, com o companheiro Robin Frijns. López resolveu cumprir um drive-through e virou o carro para os boxes. Cruzou a linha branca, mas mudou de ideia de jogou o Dragon de volta para a pista de maneira descoordenada.

Wehrlein não conseguia abrir na primeira posição, mas escapava de sofrer um ataque porque Di Grassi incomodava Rowland sem parar. Usou o FanBoost para tentar passá-lo, mas o francês resistiu. O desespero tinha nome, o de Buemi, que também usava o FanBoost atrás dele e se aproximava perigosamente. Atrás do quarteto, Félix da Costa já estava distante, mas tinha boa vantagem para o sexto, exatamente Massa.
 
A direção de prova definiu uma punição para Vandoorne por utilizar o FanBoost antes do permitido. A temporada do belga ainda segue péssima. Assim como o dia de Vergne, que rodou após um toque com a outra Jaguar, de Evans. E seguiu se tocando pelo pista, depois com Tom Dillmann. 
António Félix da Costa (Foto: BMW)
Demorou, mas Da Costa usou o modo ataque e encostou no quarteto de líderes de vez. Enquanto isso, Di Grassi aproveitou uma escorregada de Rowland e tomou a segunda colocação. Lucas tinha o modo ataque acionado, então Wehrlein aproveitou para fazer o mesmo perto de 6 min para o fim.

A volta passou a ser fundamental. Di Grassi era mais rápido que o rival da Mahindra mesmo com os dois de modo ataque acionado. Caso não conseguisse, veria Pascal ainda com metade do acionamento disponível. Ficaria difícil passar. Só que o alemão não abriu e deixou a oportunidade para Lucas se recuperar. Di Grassi atacou e, para todos os efeitos, ganhou a posição na última volta, mas Wehrlein acabou espremido e cortou a chicane. Esse movimento já garantia: Wehrlein não venceria a prova, independente de em que posição cruzasse a bandeirada.

E na reta dos boxes, de forma totalmente inesperada, Di Grassi ultrapassou quase grudado no muro. Mãos de Wehrlein na cabeça, incrédulo e ainda punido com 5s acrescidos ao tempo final da corrida. Vitória incrível de Di Grassi, que teve Da Costa e Mortara, que surgiu de forma impressionante no fim da corrida, ao lado no pódio. Sébastien Buemi e Oliver Rowland, dupla da Nissan que ali esteve durante todo o dia, terminaram a prova se tocando e sem receber bandeirada. Decepção quase inacreditável para o time franco-japonês. D'Ambrosio, Lotterer, Wehrlein, em sexto, Evans, Massa Bird e Abt fecharam o top-10. Nasr foi 19º colocado.

Fórmula E, eP da Cidade do México, Classificação final

1 LUCAS DI GRASSI BRA AUDI 45 voltas  
2 ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA POR BMW +0.436  
3 EDOARDO MORTARA SUI VENTURI +0.745  
4 JÉRÔME D'AMBROSIO BEL MAHINDRA +1.159  
5 ANDRÉ LOTTERER ALE TECHEETAH DS +1.785  
6 PASCAL WEHRLEIN ALE MAHINDRA +5.210  
7 MITCH EVANS NZL JAGUAR +5.800  
8 FELIPE MASSA BRA VENTURI +8.084  
9 SAM BIRD ING VIRGIN AUDI +8.356  
10 DANIEL ABT ALE AUDI +8.438  
11 ROBIN FRIJNS HOL VIRGIN AUDI +9.044  
12 OLIVER TURVEY ING NIO +11.252  
13 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA TECHEETAH DS +19.153  
14 ALEXANDER SIMS ING BMW +20.471  
15 TOM DILLMANN FRA NIO +20.871  
16 GARY PAFFETT ING HWA VENTURI +23.272  
17 JOSÉ MARÍA LÓPEZ ARG DRAGON PENSKE +26.542  
18 STOFFEL VANDOORNE BEL HWA VENTURI +38.425  
19 FELIPE NASR BRA DRAGON PENSKE +1:56.160  
20 OLIVER ROWLAND ING NISSAN +1 volta NC
21 SÉBASTIEN BUEMI SUI NISSAN +1 volta NC
22 NELSINHO PIQUET BRA JAGUAR +43 voltas NC