Di Grassi cresce na hora da decisão e crava pole para eP de Berlim 1. Buemi decepciona e larga no 14º lugar

O treino classificatório da F-E em Berlim abriu as portas para o campeonato voltar a esquentar - pelo menos por este momento. Sébastien Buemi foi péssimo e larga apenas em 14. Lucas Di Grassi, por outro lado, sai bem na frente. Após primeiro pódio, José María López ficou a 0s001 da pole

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Dois anos, uma crise de refugiados e um escape para a Berlim central depois, a F-E regressou de fato ao Aeroporto Tempelhof na manhã deste sábado (10). Com um novo traçado e carros na pista, o que se viu foi a chance do campeonato retomar o dinamismo que Paris tomou. Lucas Di Grassi comeu pelas beiradas, entrou na Superpole com o último tempo e contando com um certo grau de sorte. Na hora da verdade, voou e acertou a melhor volta dele no dia. Uma pole-position que o coloca em 13 posições de vantagem para o único rival.

A segunda pole de Lucas na F-E tem um grau considerável de surpresa. Isso porque o piloto da Audi ABT não parecia ter ritmo para tanto. Nem ele, nem Daniel Abt e nem a equipe. Di Grassi não conseguiu andar na frente nos treinos livres sequer quando tentou acompanhar o ritmo. Na fase de grupos da classificação, mostrou o que parecia ser o limite do carro e foi até o quinto lugar. Não fosse uma volta impensavelmente ruim de Sébastien Buemi sequer participaria da fase final. Mas o 'clutch' se apresentou. Di Grassi fez o possível na Superpole e conseguiu superar quem veio depois.
 
A proximidade foi inegável. José María López partiu para o que parecia ser a volta da pole, mas parou 0s001 atrás de Lucas. Incrível, mas o suficiente para segurar o argentino da DS Virgin do lado de Di Grassi. A segunda fila ficou tomada pelas Mahindra: Felix Rosenqvist e Nick Heidfeld, nessa ordem, enquanto Sam Bird fechou. Jean-Éric Vergne, Oliver Turvey, Daniel Abt, Nicolas Prost e Jérôme D'Ambrosio fecharam o top-10. Nelsinho Piquet é o 13º.
 
A pergunta que parte daí é óbvia: e Buemi? Bom, Sébastien ficou para o último grupo e se adiantou para sair antes dos rivais e não ter contratempos. O plano que sempre executa tinha apenas uma falha, que não é algo de outro mundo embora tenha sido tão incomum nos últimos dois anos: Buemi não andar rápido. O líder do campeonato fez um giro horroroso e largará apenas na 14ª colocação.
 
A largada para o eP de Berlim 1 acontece às 11 (horário de Brasília).
Lucas Di Grassi (Foto: Audi ABT)

Confira como foi o treino classificatório:

Grupo 1: Sam Bird, Robin Frijns, António Félix da Costa, Adam Carroll e Daniel Abt
 
Um primeiro grupo esvaziado tinha olhos em Bird, que foi bem nos primeiros treinos. O piloto da DS Virgin não decepcionou e cravou 1min08s321. Quem também andou na casa de 1min0s8 foi Abt, sempre uma incógnita. Mesmo assim, levando em conta os TLs, seria difícil o alemão ir à Superpole.
 
As Andretti seguem em dificuldade. Frijns passou longe de 1min08s – seu tempo foi mais de 1s mais lento que o de Abt. Mesmo desta forma, superou o sempre lento Carroll. E Félix da Costa, completamente fora de prumo, anotou 1min11s147 – que, salvo algum acidente dali por diante, era pronto para colocá-lo no fim da fila.
 
Grupo 2: Maro Engel, Nicolas Prost, Jérôme D'Ambrosio, Jean-Éric Vergne e Loïc Duval
 
Como anda sendo comum na F-E, especialmente nesta temporada impulsionada por motor Renault, Vergne se colocou forte na disputa por uma das cinco vagas da Superpole. O francês só não foi mais rápido que Bird, mas ocupava o segundo lugar entre metade do pelotão – com 1min08s457 – e poderia se manter mesmo superado por Buemi e Di Grassi.
 
E se sucesso e fracasso são ambos uma questão de expectativa, Prost, Engel e D'Ambrosio viveram momentos bem distintos. Com uma Renault e.dams, Prost tinha alta esperança sobre si. O quarto tempo geral, atrás de Bird, Vergne e Abt não foi o bastante. O mesmo para Engel, que engrenou uma ótima volta no TL2 e não repetiu na hora da classificação – ficou em sexto de dez. 
 
Já D'Ambrosio, longe dos primeiros colocados durante as atividades iniciais, fez 1min08s825 e o quinto tempo. Dificilmente bom o bastante para uma Superpole, mas forte para o que parecia estar destinado. Duval, companheiro de Dragon, foi melhor apenas que AFC.
Jérôme D'Ambrosio (Foto: Dragon)
Grupo 3: Mitch Evans, Nelsinho Piquet, Felix Rosenqvist, José María López e Lucas Di Grassi
 
Mesmo sem os líderes dos treinos livres entrarem em ação, o top-5 sofreu uma revolução após o terceiro grupo. Isso porque três dos cinco membros da chave pularam para a zona de entrada da Superpole. Felix Rosenqvist, P2 e P3 nos TLs, pulou para a ponta. José María López, por sua vez, foi para o terceiro posto.
 
Di Grassi precisava responder ao que aconteceu em Paris e conseguiu seguir respirando. O quarto tempo, com Buemi e Heidfeld ainda pendentes, não é garantia, mas uma chance onde a Audi ABT claramente não é tão veloz. Piquet e Evans ficaram lado a lado nas posições 10 e 11. 
 
Grupo 4: Sébastien Buemi, Nick Heidfeld, Stéphane Sarrazin, Oliver Turvey e Tom Dillmann
 
Para não ser atrapalhado, Buemi saiu na frente com certas sobras. o líder do campeonato cravou uma volta voadora no TL1, que mesmo agora segue a quarta mais rápida do dia. Só que simplesmente não conseguiu repetir. Lento desde o começo, Seb nem chegou à casa de 1min08s. Fez 1min09s010 e sairá longe da Superpole, apenas no 14º posto.
 
Quem respondeu ao que dele se esperava foi Heidfeld. O veterano engrenou o terceiro tempo geral, entrando com sobras na Superpole. Turvey larga em sétimo, enquanto Sarrazin levou a Techeetah ao 12º lugar na estreia. Dillmann conseguiu anotar apenas o 15º posto.
 
Desta forma, Rosenqvist, Bird, Heidfeld, López e Di Grassi foram para a Superpole.
Lucas Di Grassi em frente a um avião demonstrativo do Tempelhof (Foto: Audi ABT)
Superpole
 
Di Grassi saiu na frente e rapidamente mostrou que entrara de vez na briga pela pole-position. O 1min08s312 o jogou para a expectativa de quem vinha na sequência. López engrenou uma volta que dava pinta de rivalizar com Lucas, e assim foi. No fim das contas, porém, faltou um pouco. 0s001, precisamente. Heidfeld e Bird não brigaram, o alemão fez o terceiro tempo, enquanto Bird errou e deixou na cara que seria o quinto. Rosenqvist fechou e até se aproximou, mas não bateu os sul-americanos. Segunda pole-position da temporada para Lucas Di Grassi!

F-E, Berlim 1, Grid de largada: 

1 LUCAS DI GRASSI BRA AUDI ABT 1:08.312  
2 JOSÉ MARÍA LÓPEZ ARG VIRGIN DS 1:08.313 +0.001
3 FELIX ROSENQVIST SUE MAHINDRA 1:08.395 +0.083
4 NICK HEIDFELD ALE MAHINDRA 1:08.650 +0.338
5 SAM BIRD ING VIRGIN DS 1:09.724 +1.412
6 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA TECHEETAH 1:08.457 +0.145
7 OLIVER TURVEY ING NEXTEV 1:08.607 +0.295
8 DANIEL ABT ALE AUDI ABT 1:08.620 +0.308
9 NICOLAS PROST FRA RENAULT 1:08.692 +0.380
10 JÉRÔME D'AMBROSIO BEL DRAGON 1:08.825 +0.513
11 MARO ENGEL ALE VENTURI 1:08.846 +0.534
12 STÉPHANE SARRAZIN FRA TECHEETAH 1:08.890 +0.578
13 NELSINHO PIQUET BRA NEXTEV 1:08.961 +0.649
14 SÉBASTIEN BUEMI SUI RENAULT 1:09.010 +0.698
15 TOM DILLMANN FRA VENTURI 1:09.214 +0.902
16 MITCH EVANS NVZ JAGUAR 1:09.219 +0.907
17 ROBIN FRIJNS HOL ANDRETTI 1:09.630 +1.318
18 ADAM CARROLL NIR JAGUAR 1:09.898 +1.586
19 LOÏC DUVAL FRA DRAGON 1:09.923 +1.611
20 ANTONIO FÉLIX DA COSTA POR ANDRETTI 1:11.147 +2.835

 

A NOVA F1 SE APROXIMA MAIS DA INDY. E ÁUDIO EM MÔNACO É PROVA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube