Di Grassi entra na margem de ataque e obriga Buemi a responder com urgência após desclassificação em Berlim

Lucas Di Grassi se aproximou muito de Sébastien Buemi depois da situação ficar quase caótica em Paris. Lucas viu a vantagem cair de 43 para 22 pontos com a desclassificação de Sébastien Buemi por conta de problemas na calibragem dos pneus. Agora, numa última corrida antes da ausência do suíço, os dois precisam acertar as contas com o campeonato

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Berlim chegou, o Aeroporto Tempelhof voltou e a F-E encontrou o momento final antes da ausência programada de Sébastien Buemi. A corrida deste sábado (10), somada à do domingo, permite que o campeonato seja compreendido de forma mais completa antes de Nova York. Lucas Di Grassi entrou num buraco de 43 pontos e até diminuiu o problema. Mas o protagonista da prova não foi nenhum dos dois. Felix Rosenqvist circundou a ponta durante todo o dia, mas foi tomá-la na 21ª volta da corrida. E agarrou. A primeira vitória de Rosenqvist na F-E é também a glória de debute da Mahindra – justa pelo trabalho que piloto e equipe realizaram nesta terceira temporada.

 
Felix deixou José María López para trás na largada e soube esperar para ver se teria uma chance de dar o bote em Di Grassi. Conseguiu, enfim, quando o rendimento do piloto da Audi ABT caiu devido a um problema que aparentemente era de freio. Rosenqvist passou antes de trocar o carro. Com o segundo carro as coisas não mudaram. Rosenqvist seguiu mais rápido e abriu, enquanto Di Grassi lidava com uma questão de temperatura. Pouco importa, porque Rosenqvist foi mesmo o cara do primeiro dia na Alemanha.
 
"Obrigado a Mahindra, obrigado a todos. O time entregou um carro fantástico para esse fim de semana Foi uma corrida ótima, estava tudo sob controle. É inacreditável, nada deu errado, só um pequeno erro no último setor e foi isso. Gostei muito de toda a corrida", disse o vencedor.
 
E exaltou o trabalho da equipe na passada sobre Di Grassi. "Meu engenheiro falou que eu poderia tentar, e vi que ele estava um pouco apertado com a energia, então pensei que poderia tentar. Foi uma grande manobra para ganhar a corrida."
Lucas Di Grassi vai se aproximando aos poucos (Foto: Audi ABT)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Heidfeld, em terceiro, corroborou o excepcional momento da equipe. Se a prova do sábado tivesse as 46 voltas que terá a de domingo, duas a mais, Nick provavelmente teria deixado Di Grassi para trás.
 
Lucas até pode considerar a corrida um tanto decepcionante. A temperatura, segundo ele próprio, não correspondeu ao necessário para manter o ritmo que parecia ter no início. Largar na pole não garantiu domínio, apesar da boa largada. Mesmo assim, 21 pontos de diferença extraídos é uma bela forma de sair de uma corrida em que o rendimento não foi lá essas coisas.
 
“Foi um bom dia, com a pole-position e um segundo lugar, mas não era o que esperávamos. Tivemos muitos problemas com a temperatura, eu tinha energia suficiente para segurar o Felix, mas não tinha temperatura suficiente. É um pouco estranho correr assim, mas é como as coisas são. A bateria é padrão para todos, mas temos que melhorar o carro, ter certeza que ele estará melhor amanhã para podermos lutar pela vitória”, falou.
 
No fim das contas, Di Grassi terminou o sábado com 21 pontos anotados: 18 do segundo lugar e três da pole-position. Buemi se recuperou de largar no 14º lugar, emendou oito ultrapassagens e ainda herdou a de Jean-Éric Vergne, punido com um acréscimo de tempo. Marcara dez pontos. Di Grassi, na pista, tirou apenas 11 dos 43 pontos de diferença. Mas a situação melhorou para Lucas ao fim da etapa: Buemi foi desclassificado após a inspeção notar uma pressão ilegal nos pneus da Renault e.dams. A cinco corridas do fim do campeonato – das quais Buemi não correrá duas -, a diferença é de 22 pontos.
 
Di Grassi não terá sua sombra para atrapalhar em Nova York, mas ainda precisa se garantir a uma distância alcançável. É fundamental que Di Grassi consiga segurar Buemi na segunda corrida em Berlim, de preferência diminuindo a vantagem. Mas é importante que mantenha Buemi dentro da margem de 25 pontos – uma vitória que terá de buscar em uma das duas corridas do Brooklyn pelo menos. 
 
O domingo dará uma diretriz para o resto do campeonato. A sorte, de fato, foi lançada na F-E.
 
A NOVA F1 SE APROXIMA MAIS DA INDY. E ÁUDIO EM MÔNACO É PROVA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube