Di Grassi lembra problemas, mas destaca primeira vitória da história da F-E como ponto alto do ano: “Foi bastante marcante”

Lucas Di Grassi liderou a maior parte da temporada da F-E, desde quando venceu em Pequim até a desclassificação em Mônaco - com um hiato nas duas semanas entre os ePs de Miami e Long Beach. Para ele, ser o primeiro vencedor da história da categoria, em Pequim, foi especial. Para Nelsinho Piquet, a vitória em Long Beach se destacou

A classificação da F-E após o eP de Moscou

Quando a decisão se aproxima, como acontece com a da temporada inicial da F-E neste fim de semana, é normal que a cabeça pense em retrospectiva do ano que passou. Lembrar das coisas boas e ruins que afetaram a campanha pessoal de alguma forma é parte de decidir, e os dois primeiros colocados da F-E, Nelsinho Piquet e Lucas Di Grassi, também passam por isso.

 
Di Grassi foi o líder durante maior tempo da temporada. O forte início de campanha pôde até ter sido atrapalhado por problemas de confiabilidade e por uma exclusão inesperada em Berlim, mas o fato de ter vencido a primeira corrida da história da categoria não pode ser apagado.
 
Para o piloto, a vitória em Pequim e o segundo lugar em Putrajaya, após largar no fim da fila, marcaram positivamente. Enquanto isso, a quebra da suspensão que evitou uma provável vitória em Buenos Aires e a desclassificação em Berlim por conta de uma aleta de metal na asa dianteira colocada irregularmente são os pontos baixos.
 
"A vitória em Pequim [o ponto mais marcante]. Ser o primeiro vencedor da história da F-E. Acho que foi bastante marcante no ano e na minha carreira ser o primeiro. Acho que o segundo lugar na Malásia saindo em último e chegando em segundo. Mas, de uma maneira da geral, os pontos baixos da temporada foram a quebra da suspensão em Buenos Aires, quando eu liderava, e a desclassificação em Berlim", disse em entrevista ao GRANDE PRÊMIO.
Lucas Di Grassi celebra vitória do eP da China da F-E (Foto: Reuters)
Di Grassi ainda contou que a impressão de que brigaria pelo título começou ainda nos testes de pré-temporada em Donington Park e foi ratificado com a vitória na rodada de abertura.
 
"Eu praticamente liderei a temporada inteira desde a primeira etapa até Berlim. Mais do 2/3 no campeonato, praticamente, 3/4. Então, assim, eu achava desde os testes que a gente ia ser competitivo. Depois de algumas corridas notei que podíamos brigar pelo título, mas claro que desde que eu passei a liderar, tentei de todas as formas manter a frente", seguiu. 
 
"Claro, o ponto chave foi a desclassificação em Berlim. Eu estaria liderando por dez pontos e teria um final de campeonato bem diferente. No momento, tenho que buscar recuperar esses 17 pontos", concluiu.

Já o líder do campeonato, Piquet, destacou a vitória em Long Beach dias após completados os 35 anos da primeira vitória de Nelson na F1 na mesma Long Beach. O ponto alto do ano, para ele, enquanto o momento mais negativo foi ser tirado do eP de Putrajaya por Jarno Trulli.
 
"Quando ganhamos em Long Beach, mostramos que tínhamos realmente o potencial para vencer o campeonato, então naquele momento de fato a gente encarou que era possível lutar pelo título da temporada", falou também ao GP.
 
"O pior momento da minha temporada acho que foi a Malásia, quando o Trulli me jogou para fora da pista e nos tirou da prova. Ali poderia ter vindo um pódio. O melhor momento foi a vitória de Long Beach", encerrou.
Nelsinho Piquet vence em Long Beach na F-E (Foto: AP)
Por fim, Sébastien Buemi, terceiro colocado da F-E e vivo na disputa pelo caneco, embora 23 pontos atrás de Nelsinho, também falou sobre a gangorra da temporada em entrevista ao site oficial da categoria.
 
"Mônaco foi o melhor final de semana até agora, fazendo a pole-position e vencendo a prova. Moscou também teria sido muito boa não fosse pela punição. Obviamente temos um bom carro e bons resultados. Podemos manter isso em Londres", avaliou o suíço.
 
"Também cometi erros, como em Buenos Aires, quando liderava a corrida. E talvez errando o timing do pit-stop em Moscou, que acabou virando liberação insegura e a penalidade tirou a chance de vencer a corrida", finalizou.
 
O GRANDE PRÊMIO acompanha em detalhes a rodada dupla que encerra o ano da F-E nos dias 27 e 28 de junho no Parque Battersea, na capital inglesa.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube