Fórmula E vê problemas e avalia mudança no formato do treino classificatório

A Fórmula E atual força os líderes do campeonato a largar no fim do grid. Isso é consequência de um formato de classificação falho, que força busca por soluções para a temporada 2021/22

Hamilton resiste após batida com Verstappen e vence GP da Inglaterra (Vídeo: Reuters)

O formato atual de treino classificatório da Fórmula E parece estar com os dias contados. Após três temporadas forçando os líderes do campeonato a se classificar com pista suja e menos aderente, a alta cúpula da categoria sente que é hora de considerar novas ideias de olho em 2022.

Quem disse isso foi Frederic Bertrand, diretor esportivo da FE. O dirigente fala abertamente em no mínimo reformular o sistema de classificação por grupos, utilizado com modificações desde 2014.

“Será que é melhor ter uma sessão antes da classificação para deixar a pista mais aderente e limpa?”, perguntou-se Bertrand, falando ao site The Race. “Esse cenário seria mais uma questão de diminuir o impacto da divisão por grupos. Temos muitas opções para esses grupos, como criar duelos entre pilotos, ou outros sistemas que mantenham a ideia de grupos. Talvez seja o caso de fazer a superpole com mais pilotos, com mais gente tendo oportunidades”, seguiu.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

O formato de classificação da FE vai para o divã (Foto: Fórmula E)

“Não dá para colocar todos os carros na pista ao mesmo tempo. Infelizmente, isso é muito difícil para nós. Temos um risco porque nossas pistas têm poucos quilômetros. 2,6 km, 2,4 km, talvez até mais curto do que isso”, destacou.

O formato atual é criticado por penalizar pilotos que andaram bem no eP anterior. Quem conseguiu pontuar bem e entrar no top-6 do Campeonato de Pilotos é forçado a se classificar no grupo 1 da classificação e, salvo raras exceções, terá de fazer corrida de recuperação largando do fim do grid. Como a categoria tem equipes de rendimento muito parelho, quem larga atrás não consegue escalar o pelotão com facilidade. Isso por tabela leva a um campeonato nivelado por baixo: Sam Bird lidera com apenas 81 pontos em 11 corridas, uma média de 7,4 por eP, sendo que a pontuação máxima é de 30 tentos.

A Fórmula E terá pelo menos mais quatro corridas com o formato atual. São as rodadas duplas de Londres e Berlim, que encerram a temporada. A categoria vai para a capital britânica nesta semana, com corridas nos dias 24 e 25 de julho.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar