No meio da temporada, FE decide abolir tempo mínimo para troca de carros. E Di Grassi critica: “Uma aposta para todos”

A partir do próximo sábado, quando a Fórmula E disputa etapa em Marrakech, as corridas já não vão mais ter tempo mínimo para pit-stop. O que, ao menos de começo, não está agradando os pilotos. A informação é da revista inglesa 'Autosport'

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O limite mínimo de tempo durante um pit-stop com mudança de carro na Fórmula E está presente desde o começo da categoria, mas será abolido a partir da próxima etapa do campeonato. No próximo sábado, 13 de janeiro, o eP de Marrakech já terá uma disputa por velocidade inclusive com os pilotos fora de seus carros, portanto.

 
A informação é da revista inglesa 'Autosport' – a categoria notificou as equipes para a etapa do Marrocos. Desde a primeira temporada a FE instituiu um tempo mínimo para que o pit-stop fosse efetuado. Desta forma, ninguém levaria vantagem e toda a segurança do processo seria mantida. Com o passar das temporadas e o aumento da eficiência das equipes, o tempo mínimo foi sendo diminuído. De acordo com a publicação, a FIA agora concluiu que o tempo já estava acima do que era capaz pelas equipes.
 
Ao que parece, porém, a medida não foi muito popular entre os pilotos.
 
"Sou a favor do conceito, mas se era para mudar, que mudassem no começo da temporada. Se tivessem feito isso antes da temporada daria para melhorar tudo. Uma mudança feita dessa forma é uma aposta para todos, vai tornar a vida mais difícil em Marrakech, com certeza", afirmou à revista o atual campeão da FE, Lucas Di Grassi.
Lucas Di Grassi (Foto: Audi)
Sam Bird seguiu a linha de reciocínio de Di Grassi e tocou no ponto da segurança. Com a ausência de limite, abrir e fechar o cinto de segurança corretamente pode ser deixado de lado em troca de ganhar tempo.
 
"Do ponto de vista da animação para os fãs, acho que faz sentido. Mas, analisando o aspecto da segurança, não é o ideal para mim. Não há nada que impeça os pilotos de baterem os cintos de segurança [ainda em com o carro em movimento] para ganhar tempo – e aí tudo se torna extremamente perigoso. Se coisas assim começarem a ser ignoradas, então não é o certo a ser feito", declarou.
Sam Bird (Foto: DS Virgin)
Lucas concordou. "Os cintos de segurança atuais são aquele padrão de monopostos, não foram feitos para mudanças rápidas. Em carros LMP e GT o sistema de fechamento é diferente, muito mais simples e efetivo. Tenho certeza que eu nunca vou arriscar andar sem os cintos estarem propriamente fechados. Como eles não foram feitos para isso, se o mecânico não fizer certo ou tentar fazer rápido demais sob pressão, pode levar entre 15 e 20 segundos para refazer tudo. É parte do jogo, mas não deveria ser parte de perder uma corrida."
 
A temporada começou em dezembro, com o eP de Hong Kong.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube