Rivais erram, e Jimenez lidera dobradinha do Time Brasil no eP de Berlim 3 do eTrophy

Simon Evans e Nick Foster facilitaram bastante a vida de Jimenez e Cacá Bueno na terceira corrida da categoria no Tempelhof

Durante quase toda a terceira prova do eTrophy na Maratona de Berlim, neste sábado (8), nada acontecia. Mas o final da prova guardava razoável movimentação na luta pelas primeiras colocações que, muito graças a um erro de Nick Foster e outro de Simon Evans, rendeu uma dobradinha da equipe brasileira. Sérgio Jimenez venceu mais uma.

Jimenez largou na liderança e ponteou até que o festival de modo ataque iniciou. Após a primeira rodada da potência extra, estava atrás de Foster e com Evans grudado na traseira. Mas os dois, cada um em seu momento, errou a entrada do segundo modo ataque. Jimenez, assim, recebeu a companhia de Cacá Bueno para o 1-2.

O terceiro lugar ficou com Evans, que agora está 18 tentos atrás do brasileiro na classificação do campeonato. Foster, após pegar, enfim, o modo ataque final, bateu com Alice Powell numa disputa pela quarta colocação e sequer completou. Powell, com carro danificado, ainda terminou em quinto, mas atrás do anteriormente distante Greg Segers.

O campeonato volta no domingo com uma pista em grid invertido à classificação do campeonato.

Sérgio Jimenez passou por apuros nas voltas finais, mas venceu (Foto: Reprodução/TV)

Confira como foi a corrida:

Na sequência da maratona de Berlim para as corridas derradeiras do eTrophy, a largada teve Sérgio Jimenez mantendo a primeira colocação, mas com Simon Evans e Nick Foster grudados. A movimentação da largada foi de Cacá Bueno superando Alice Powell por fora e assumindo a quinta colocação. Os cinco primeiros imediatamente abriam para o restante do grid.

Enquanto a procissão já se instalava na frente, havia uma batalha na parte de trás do pelotão para animar um pouco a corrida. O francês Greg Segers fez boa ultrapassagem para cima da convidada inglesa Abbie Eaton, assumindo o oitavo lugar e fazendo a pilota abrir para buscar o modo ataque.

Com seis minutos para o fim, Jimenez e Evans passaram direto com o neozelandês grudado. Mas Foster, Bueno e Powell abriram para pegar e, aí, sim, uma corrida. Evans não conseguiu passar, mas terceiro e quarto colocados, dotados da velocidade extra, tomaram as duas primeiras colocações quando os dois ponteiros foram buscar o modo ataque.

A equipe brasileira trabalhou junta: Cacá permitiu que Jimenez passasse e segurou Evans por alguns instantes, mas logo o piloto do carro #0 foi buscar o segundo modo ataque. Jimenez, enquanto isso, atacou Foster, chegou a colocar um bom pedaço do carro na frente, mas o australiano fechou a porta e ficou na frente.

Evans queria mais que o P3 e, com dois minutos para o fim, abriu para o modo especial de ataque. Só que errou a entrada e caiu para quarto. Jimenez também abriu, mas acertou e deixou Bueno passar.

E Foster? Faltava apenas uma volta e meia para o fim quando pegou o modo ataque obrigatório, mas, assim como Evans, errou a entrada e permitiu que os dois brasileiros passassem. Cacá inicialmente defendeu de Jimenez, mas o #10 passou e Foster também tentou mergulhar. Não importava muito, porque tinha de pegar o modo ataque na última volta.

Foster brigou com Jimenez, Bueno e Evans no espaço de uma volta e, depois pegar o modo ataque, tentou defender a quarta colocação perdida para Powell. No cotovelo, os dois se tocaram e pararam no muro. Powell, apesar de rodar, completou a corrida, mas Foster não conseguiu ir até o fim.

Vitória, mais uma, para Jimenez e com dobradinha brasileira. Evans foi o terceiro, o que coloca a diferença entre Jimenez e Evans em 18 pontos na classificação do campeonato.

Segers, Powell, Fahad Al-Gosaibi, Takuma Aoki, Eaton, Paul Spooner, Adalberto Baptista formaram o top-10.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube