Sem vaga na F-E, López explica demissão na DS Virgin e lamenta: “Não fiquei feliz com o jeito que me trataram”

A DS Virgin rompeu o contrato com José María López por resultados abaixo do esperado na temporada 2016/17 – mas isso por perder a rodada dupla do eP de Nova York. Fora do grid, o argentino acredita que não foi tratado corretamente

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

José María López chegou ao grid da F-E credenciado pelo tricampeonato no Mundial de Turismo, mas não conseguiu empolgar tanto – apesar dos dois pódios e na temporada 2016/17, o argentino se viu em uma relação turbulenta com a DS Virgin. Com o contrato rompido após apenas um dos três anos previstos, López acredita que não foi tratado de forma justa.  
 
“Não foi nem questão de performance. Acho que o Alex [Tai, chefe de equipe] já tinha algo encaminho com outro piloto e provavelmente não me queria na equipe”, disse López, questionado pelo site ‘Motorsport.com’. “Eu não fiquei feliz com isso, com o jeito que me trataram. Eu quero pilotar pelo prazer e estar em um lugar que me deixa confortável. Esse não seria o caso na Virgin”, seguiu.
José María López perdeu a vaga na F-E após uma única temporada (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

López explica que a DS Virgin fez uso de uma cláusula contratual para forçar a rescisão – o piloto não foi tão bem quanto se imaginava na disputa com o companheiro Sam Bird. Para o lugar do argentino, a equipe trouxe Alex Lynn.
 
“Eu tinha um contrato de três anos e uma cláusula que dizia que eu precisava somar um determinado número de pontos na comparação com meu companheiro [Bird]. Mas eu perdi as duas corridas em Nova York, então não deu para alcançar o objetivo”, lamentou. López não pôde competir nos Estados Unidos por conta de compromissos com a Toyota no Mundial de Endurance, que tinha as 6 Horas de Nürburgring no mesmo fim de semana. Com duas corridas a menos, López fez 65 pontos no ano, enquanto Bird chegou aos 122.
 
López trabalhou para achar outra vaga no grid da F-E, mas não conseguiu e vai ficar de molho em 2017/18. “Achava que seria mais fácil arranjar outra vaga”, encerrou.
 
MELHOR DE 2017

COM TÍTULO EM TEMPORADA DIFÍCIL, MÁRQUEZ É PILOTO DO ANO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube