Senna mostra preocupação com calor em Putrajaya e diz que baterias são “muito afetadas” pela temperatura

Bruno Senna está preocupado com as condições climáticas que vai encontrar em Putrajaya, especialmente o calor forte que pode comprometer - e até parar as baterias elétricas desenvolvidas pela Williams

Depois de uma estreia em condições normais em Pequim, a F-E chega para a segunda etapa do campeonato em Putrajaya, na Malásia, sob o risco de fortes chuvas e um calor brutal. É exatamente com a parte do calor que Bruno Senna se preocupa mais.
 
O motivo de Senna é simples: a saúde das baterias. Com temperatura acima de 40ºC esperada para o sábado – o que torna o calor do solo ainda maior -, o piloto da Mahindra teme que as baterias elétricas possam ser afetadas gravemente.
Bruno Senna (Foto: F-E)
"O maior problema é que as baterias têm limitações térmicas e são muito afetadas pelas temperaturas. Todos terão de tomar cuidado com essa questão, em vez da falta de energia. As baterias começam perto de 20ºC. A partir dos 55ºC, o rendimento cai. Ao bater nos 63ºC, a potência é cortada", explicou Senna.
 
Fora isso, Bruno está animado com o que viu no início da temporada da equipe, que foi animador, apesar dos problemas que ele próprio viveu na segunda metade. O companheiro, Nick Heidfeld, foi terceiro na prova – e na classificação.
 
"O carro está competitivo. Com o aprendizado que tivemos lá e resolvendo os problemas que enfrentamos, estamos muito mais preparados agora", afirmou.
 
E tem como bater a e.dams? "Eles estão um passo à frente de todas as demais", avaliou o piloto.
 
O eP de Putrajaya acontece neste sábado, 7 de novembro.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube