Vergne defende ataque de Bird e administra vantagem para vencer em casa no eP de Paris. Di Grassi é 2º

O eP de Paris deste sábado (28) não foi dos mais conturbados, mas terminou com uma batida na briga pelo último lugar do pódio. De qualquer forma, Jean-Éric Vergne venceu e conseguiu abrir mais na liderança do campeonato. O cenário, ao menos para ele, foi de sonhos

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O terceiro eP de Paris da história da Fórmula E, neste sábado (28), quase terminou com um fato raro na categoria: uma dobradinha. Mas o 1-2 da Techeetah foi desmanchado nos metros finais. Jean-Éric Vergne não se mostrou o piloto mais rápido em quase momento nenhum da corrida, mas conseguiu se defender quando foi necessário e administrar quando precisou. Além de tudo isso, contou com André Lotterer como escudeiro por boa parte da corrida. Vergne, pole e vencedor, dá um passo fundamental do primeiro título da categoria mesmo a quatro corridas do fim. São 33 pontos entre si e Sam Bird. Lotterer era o segundo e assim terminaria não fosse pelo fim da bateria e uma pancada de Bird.

 
Vergne esticou a diferença na largada e na volta do pit-lane, após a troca de carros, que se deu na mesma volta em que Bird atacou de maneira veemente. JEV se manteve calmo, segurou a colocação e esticou quando deu. Nem parece o mesmo piloto afeito a chuvas e trovoados como em outros tempos.

Di Grassi largou na sexta colocação e passou António Félix da Costa rapidamente, uma vez que o lusitano abandonou a prova ainda nas primeiras voltas. Mas Di Grassi passou toda a primeira metade da prova preso atrás de Maro Engel. Conseguiu passar apenas após a troca de carros, quando começou a voar na pista. Aproximou-se dos três primeiros colocados rapidamente, ultrapassou Sam Bird e começou uma briga com Lotterer que venceria apenas na volta final, quando a bateria do alemão acabou. Terceiro pódio seguido após um princípio de temporada muito ruim.

Lotterer, por outro lado, virou alvo. Quando tomou o segundo posto de Bird, numa manobra até justa, o começo de uma confusão se deu com Sam tocando o rival na tentativa de responder. Lotterer estava tranquilo até ser atacado por Lucas, que não gostou da forma como Lotterer estava empurrando a Audi para o muro. A bateria parou, ele ficou para Di Grassi e permaneceu no meio da pista para tentar bloquear outros de passarem. Bird chegou em tempo e colocou o carro de lado – sem espaço por conta da posição de Lotterer, batida. Os dois completaram assim, danificados: Bird em terceiro, Lotterer em sexto

Jean-Éric Vergne (Foto: Techeetah)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Atrás da confusão, Maro Engel e Sébastien Buemi ainda passaram Lotterer. Daniel Abt, Felix Rosenqvist, Oliver Turvey e José María López fecharam o top-10. A melhor volta ficou com Di Grassi. Nelsinho Piquet voltou a ter problemas no que foi uma corrida caótica para a Jaguar e abandonou;

A FE volta em três semanas, no dia 19 de maio, com o eP de Berlim.  

Confira como foi a corrida:

Antes da largada, algumas notícias importantes foram anunciadas: Edoardo Mortara recebeu uma penalização de três colocações por acelerar além da conta sob bandeira vermelha e Mitch Evans, por não ter dez posições para perder, teria ainda 5s adicionados ao tempo final.
 
Na partida, Jean-Éric Vergne manteve a ponta e viu o companheiro André Lotterer mergulhar para cima de Sam Bird. Parecia favorito na disputa, mas Bird se recuperou, deu uma pequena espalhada e fez o alemão tirar o pé para se contentar mesmo com o terceiro lugar.
 
A confusão ficou mais para o fim do pelotão, especialmente com Tom Blomqvist sem conseguir controlar o carro da Andretti e encher a traseira de Nicolas Prost, ao passo que Mitch Evans, vendido na situação tocava na traseira dele. Apesar da sequência, quem se deu mal mesmo foi Blomqvist, que ficou com o carro quebrado em várias partes. 
 
Ainda pior que Blomqvist ficaram Ma Qing Hua, que parou na pista com problemas e quando retomou a velocidade – após causar bandeira amarela – estava uma volta atrás. Já António Félix da Costa, companheiro de Blomqvist na Andretti, começou a corrida com dificuldades e logo na quarta volta passou direto na curva e tocou o muro. Nada grave, mas fim de prova para ele. 

O FanBoost foi para Lucas Di Grassi, Sébastien Buemi e Daniel Abt.
 
Mesmo saindo muito de trás, Daniel Abt começou voando. Foi ganhando uma série de posições a partir do 14º lugar, com destaque para a tomada da posição de Felix Rosenqvist; na sequência, o mesmo com José María López. O companheiro dele, Lucas Di Grassi, seguia pressionando Maro Engel pelo quarto posto.
 
Na 15ª das 49 voltas, Prost recebeu a bandeira preta com disco laranja – que o obrigava a entrar nos boxes imediatamente. A culpa foi do acidente com Blomqvist, que cravou a Andretti na traseira da Renault. Nico estava com a asa traseira solta.
 
Se no começo a impressão era de que Vergne podia abrir na liderança, as voltas foram deixando claro que não era bem assim. Bird encostou e começou a colocar o bico da DS Virgin por tudo que era lado. Na 18ª volta, a equipe avisou no rádio que Bird podia atacar se quisesse: e ele até queria, mas ultrapassagem é um fator raro em Paris. Quase junto dos dois, Lotterer observava.
 
Na estreita pista de Paris, Abt era quem dava 'olé' de ultrapassagens. Oliver Turvey, pela sétima colocação, foi mais uma vítima.
 
Bird foi de vez para cima na 24ª volta, mas Vergne inclinou o carro um pouco para dentro e forçou uma travada de pneus. Ao fim do giro, grudados, os três primeiros colocados entraram no pit-lane. E saíram apenas um pouco mais espaçados, mas com a mesma ordem.
Numa estratégia de stints mais longos, Di Grassi e Buemi permaneceram na pista e ficaram com a liderança momentânea e próximos. Valeu a pena até encontrarem com Rosenqvist saindo dos boxes e segurando ambos, então foram trocar os carros. E Di Grassi, de volta à situação de quinto colocado, conseguiu enfim passar por Engel assim que voltou. Enquanto isso, Buemi, que tentava loucamente conectar o rádio ao capacete, via Abt se aproximar.
 
Com a aproximação de Abt, Buemi também foi chegando a Engel e usou o FanBoost para tentar a ultrapassagem, que não deu certo. Di Grassi, por sua vez, voava com o segundo carro. Após passar Engel, apagou a vantagem para os três primeiros em seis voltas e em três delas com a melhor volta da prova.

 
Na 36ª, com Vergne agora se afastando, Lotterer definiu que era a hora: e fez o mergulho. Deu certo! Ao tentar responder, Bird bateu em Lotterer e danificou a asa dianteira direita. Di Grassi encostou e também arrumou rapidamente um espaço para tirar Bird da frente e chegar ao terceiro posto. A partir daí, começou  o ataque para cima de Lotterer.

Longe da ponta, mas na briga por tentos, Edoardo Mortara e José María López se tocaram numa disputa normal, mas que fez o italiano desviar da linha de corrida e tocar o muro. Fim das chances de pontuar…

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Em contínua subida, Abt conseguiu limpar Buemi da frente e assumir a quinta colocação. Dificilmente daria tempo de chegar aos primeiros colocados, mas lá na frente tinha movimento também: Di Grassi atacava Lotterer, que se jogava de um lado para o outro na pista e tentava evitar – Di Grassi, no rádio, reclamava muito.

 
Na última volta da corrida, uma bagunça generalizada. Sem energia suficiente para continuar brigando com Di Grassi, Lotterer se deixou passar e diminuiu o ritmo, mas ficou no meio da pista para evitar novas ultrapassagens. Bird veio a toda velocidade e tentou tirar para a esquerda: conseguiu parcialmente. A DS Virgin ficou com a asa dianteira e suspensão quebradas, assim como a asa traseira da Techeetah. Mesmo assim, Bird passou e terminou metros à frente com o terceiro lugar.
 

Engel, que também passara Buemi pouco antes, e o próprio suíço cruzaram em quarto e quinto, com Lotterer sexto. Abt, que ganhara tantas colocações, também teve problemas com bateria no fim e passou em sétimo. Rosenqvist, Turvey, López e Heidfeld fecharam no top-10.Fórmula E, eP de Paris, Classificação Final

1 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA TECHEETAH 49 voltas  
2 LUCAS DI GRASSI BRA AUDI ABT +4.882  
3 SAM BIRD ING VIRGIN DS +8.897  
4 MARO ENGEL ALE VENTURI +9.287  
5 SÉBASTIEN BUEMI SUI RENAULT +10.194  
6 ANDRÉ LOTTERER ALE TECHEETAH +10.855  
7 DANIEL ABT ALE AUDI ABT +13.918  
8 FELIX ROSENQVIST SUE MAHINDRA +15.271  
9 OLIVER TURVEY ING NIO +19.557  
10 JOSÉ MARÍA LÓPEZ ARG DRAGON +20.989  
11 NICK HEIDFELD ALE MAHINDRA +21.698  
12 JÉRÔME D'AMBROSIO BEL DRAGON +26.273  
13 EDOARDO MORTARA SUI VENTURI +29.937  
14 ALEX LYNN ING VIRGIN DS +43.112  
15 MITCH EVANS NZL JAGUAR +43.989  
16 NICOLAS PROST FRA RENAULT +1 volta  
17 MA QING HUA CHN NIO +3 voltas  
18 NELSINHO PIQUET BRA JAGUAR +17 voltas NC
19 TOM BLOMQVIST ING ANDRETTI +17 voltas NC
20 ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA POR ANDRETTI +47 voltas NC
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube