FE

Vergne faz corrida 2 modorrenta, mas garante título. Frijns vence em Nova York

A segunda corrida do eP de Nova York de 2019 consagrou Jean-Éric Vergne como campeão da temporada, embora tenha faltado a ele brilho nos Estados Unidos. Robin Frijns venceu a corrida

Grande Prêmio / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
Jean-Éric Vergne é bicampeão da Fórmula E. Numa temporada em que os piores momentos vieram na decisão, o francês conseguiu garantir o título apesar da atuação na rodada dupla de Nova York, que terminou com a corrida 2 deste domingo (14). Na sétima colocação, contou com a vantagem previamente construída e a dificuldade de ultrapassagem dos rivais - que tiveram dias melhores que os dele. É campeão mesmo assim. Robin Frijns venceu a corrida com a melhor atuação dele na categoria.

O piloto holandês largou na segunda colocação e foi ultrapassado por Sébastien Buemi logo na partida. Retomou a posição após a relargada, causada pela entrada de um safety-car justificado pela batida entre José María López e André Lotterer. Frijns partiu para cima de Alexander Sims, que escapava com autoridade. Alcançou o rival, ultrapassou e venceu. Um domínio maior que o da corrida de Paris, que havia vencido com mais resistência que outros atributos.
Jean-Èric Vergne (Foto: DS Techeetah)
Vergne terminou no sétimo lugar após largar em 12º, o que dá a sensação de que as coisas foram melhores do que realmente foram. Após uma classificação mediana no sábado e ruim no domingo e uma prova péssima no sábado, o francês ficou longe dos problemas no domingo e recebeu o que a corrida dava para ele. Era o nono até a última volta, quando Lucas Di Grassi e Mitch Evans acabaram a temporada numa colisão entre ambos, já na zona do desespero, que colocou o francês para cima. 
 
O título é merecido, claro, mas pelo que fez nas sete etapas anteriores. Em Nova York, mostrou que ainda tem muito a melhorar nos próximos anos, embora viva o melhor momento da carreira. 
 
O vice-campeão foi, incrivelmente, Buemi. 54 pontos atrás e sétimo colocado quando o sábado amanheceu, fez uma pole, venceu uma corrida e terminou em terceiro na prova derradeira. Ficou apenas 17 tentos atrás, no fim das contas.
 
A corrida teve Sims na segunda colocação e no pódio. Sam Bird, Daniel Abt, Oliver Rowland, Vergne, Stoffel Vandoorne, António Félix da Costa e Gary Paffett encerraram o top-10.
Robin Frijns (Foto: Virgin)
Confira como foi a corrida:

Antes da prova, a informação foi de que os pilotos teriam direito a três ativações do modo ataque durante a prova, em vez de apenas duas. A largada para a última etapa da temporada 2018/19 contou com o pole-position Alexander Sims escapando e Sébastien Buemi tomando o segundo lugar de Robin Frijns.
 
Lucas Di Grassi ganhou posições atrás, enquanto Jean-Éric Vergne tentava se lançar para recuperar algum espaço. Pouco atrás dele, José María López rodou no meio do pelotão e, na tentativa de recuperar a direção do carro, acertou em cheio a DS Techeetah de André Lotterer. O alemão teve de ir para os boxes, mas o argentino parou a Dragon na pista e forçou a entrada do safety-car.

O safety-car inutilizou o primeiro modo ataque de boa parte do pelotão. Na relargada, novamente Sims fugiu e Frijns atacou Buemi. Stoffel Vandoorne ultrapassara Sam Bird mais cedo e agora segurava a posição. Os três postulantes ao título seguiam nas mesmas posições, enquanto Felipe Massa subiu para o 18º lugar. 
 
Com modo ataque acionado, Frijns se arriscou na linha suja, levantou poeira e conseguiu ultrapassar Buemi para recuperar o segundo posto. O holandês imediatamente partiu para a volta mais rápida da corrida e encostou em Sims. Bird também ousou e deixou Vandoorne para começar a incomodar Buemi. Ritmo forte das duas Virgin no começo da prova. Quem também apareceu ultrapassando foi Pascal Wehrlein, que já subira do 18ª para o 14º posto e fez uma bonita ultrapassagem em Oliver Turvey pelo 13º posto - Maximilian Günther faria o mesmo pouco depois.


O outro Oliver - Rowland - começou a atacar Vandoorne com força até conseguir tomar o quinto posto ao passo que Sims, lá na frente, acionava o segundo modo ataque quando Frijns ficou apenas 0s7 atrás. Vandoorne seguia em problemas, porque Daniel Abt passou por ele enquanto se defendia de Mitch Evans.
 
FanBoost anunciado para Di Grassi, Abt, Vandoorne, Buemi e Da Costa.
 
Com 21 minutos para o cronômetro zerar, Frijns chegou a Sims. Sem modo ataque para nenhum dos dois, o piloto da Virgin efetuou a ultrapassagem e começou a escapar.

Em bom ritmo, Da Costa acionou o FanBoost para deixar Vergne para trás. Mas a magia do português não durou e em menos de uma volta o líder do campeonato estava de volta na décima colocação. Os três postulantes ao título estavam juntos novamente: em oitavo Evans, Di Grassi em nono e Vergne em décimo. 

 
Na briga pela vitória, os três primeiros colocados passaram a marca dos 15 minutos restantes com o último modo ataque acionado, mas Frijns tinha vantagem sobre os rivais. Evans começou a ganhar posições e sacou Vandoorne e Rowland da frente um após o outro para assumir o sexto lugar. Ainda longe de ser o suficiente para o título. O FanBoost de Di Grassi foi aplicado para ultrapassar Vandoorne e assumir o oitavo posto. E na sequência fez o mesmo que Evans e tirou Rowland da frente.
 
Lotterer foi penalizado pela batida de López - o alemão tocou a traseira do argentino antes da rodada. Era um drive-through, mas como Lotterer já havia abandonado, virou punição de tempo. Na prática, sem qualquer diferença. 

A corrida se aproximava do fim sem grandes mudanças. Di Grassi tentou fazer a ultrapassagem em Evans, que alugava o meio do traçado. O tudo ou nada terminou numa batida quando nenhum dos dois concedeu espaço. Era o fim da temporada e, efetivamente, da briga pelo título. Vergne era o campeão mesmo antes da bandeirada. 
 
Frijns venceu e teve Sims e Buemi ao seu lado no pódio. O suíço, aliás, conseguiu tomar o vice-campeonato com o acidente entre Lucas e Mitch. Abt, em quinto, terminou a corrida com a melhor volta. Bird foi quarto, com Rowland sexto, Vergne logo atrás e Vandoorne, Da Costa e Paffett fechando o top-10. É o fim da temporada 2018/19 da Fórmula E.

FE, eP de Nova York, Corrida 2, Resultado Final:

1 R FRIJNS Virgin Audi 36 voltas  
2 A SIMS BMW +3.200  
3 S BUEMI Nissan +3.912  
4 S BIRD Virgin Audi +4.270  
5 D ABT Audi +4.757  
6 O ROWLAND Nissan +8.382  
7 J.E VERGNE DS Techeetah +9.446  
8 S VANDOORNE HWA Venturi +9.738  
9 A FÉLIX DA COSTA BMW +11.727  
10 G PAFFETT HWA Venturi +12.251  
11 J D'AMBROSIO Mahindra +18.944  
12 A LYNN Jaguar +19.420  
13 P WEHRLEIN Mahindra +27.144  
14 O TURVEY NIO +28.045  
15 T DILLMANN NIO +28.580  
16 F MASSA Venturi +28.635  
17 M EVANS Jaguar +1:05.009  
18 L DI GRASSI Audi +1 volta  
19 M GÜNTHER Dragon Penske +1 volta  
20 E MORTARA Venturi +19 volta NC
21 A LOTTERER DS Techeetah +33 voltas NC
22 J.M LÓPEZ Dragon Penske +34 voltas NC


Paddockast #24
A BATALHA: Indy x MotoGP


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.