FE

Vergne vence eP de Mônaco de ponta a ponta e quebra rodízio de vencedores na Fórmula E. Massa vai ao pódio

A nona etapa da temporada 2018/19 da Fórmula E não foi cheia de caos como aconteceram duas semanas atrás, em Paris. Uma corrida bem mais tranquila e que teve apenas um líder: Jean-Éric Vergne. Oliver Rowland tentou atacar, mas não foi muito longe, enquanto Felipe Massa foi ao pódio na frente de casa

Grande Prêmio / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
Acabou o rodízio. Jean-Éric Vergne jantou a concorrência e repetiu em Mônaco, neste sábado (11), aquilo que havia feito em Sanya: venceu. O atual campeão da Fórmula E largou na pole-position por conta da punição que tirou Oliver Rowland da frente e, partindo da posição de honra, comandou a prova com absoluto domínio por boa parte - tirando uma aproximação final de Rowland - e ganhou a corrida para voltar com tudo para a briga pelo título da temporada 2018/19.

Rowland realmente contestou. Num campeonato em que mescla ótimas atuações com erros bobos, o inglês viveu um dia praticamente impecável em que é justo conjecturar que será grande favorito à vitória não fosse pela punição de Paris que custou a pole. Oliver atacou JEV, mas um campeão é um campeão e fez o bastante para segurar o carro na frente. 
 
O terceiro posto foi de Felipe Massa. O piloto vive há anos em Mônaco e tinha uma enorme torcida, família inclusive, para a corrida caseira que tem na FE uma vez que o Brasil segue fora do calendário. Massa fez uma corrida segura, aproveitou a oportunidade que Pascal Wehrlein deu a errar e segurou quando Sébastien Buemi atacou. É a primeira pole dele na categoria. 
Jean-Éric Vergne (Foto: FE)
Wehrlein errou quando estava no segundo lugar e perdeu duas posições que não mais recuperou: terminou a corrida no quarto posto e com a melhor corrida do campeonato. Buemi foi quinto, enquanto António Félix da Costa, Mitch Evans, Daniel Abt, André Lotterer e Alex Lynn fecharam nas dez primeiras colocações. Lucas Di Grassi abandonou após uma disputa com Alexander Sims que empurrou a Audi no muro.
 
O campeonato segue em duas semanas, 25 de maio, com o eP de Berlim. Depois disso, apenas Berna e a rodada dupla em Nova York, dias 13 e 14 de julho, definem o campeonato. 

Confira como foi a corrida da Fórmula E em Mônaco
 
Sem o perigo de uma chuva para causar o caos como em Paris, a Fórmula E largou com sol e tempo bem firme em Mônaco. Jean-Éric Vergne partiu bem e segurou a dianteira ao logo fechar a porta par qualquer tentativa de Pascal Wehrlein, segundo colocado após a punição que empurrou Mitch Evans dez postos para baixo do que tinha conseguido ao fim da classificação. A partida acabou sendo bastante segura, sem abandonos ou acidentes. Lá no fim do pelotão, André Lotterer foi bem do 21º para o 17º posto.
 
Sébastien Buemi, quinto colocado, foi quem primeiro acionou o modo ataque - Lotterer tentou, mas errou a entrada. Era apenas a terceira volta quando Buemi acionou e foi para cima de Felipe Massa pelo quarto posto, mas o veterano da Venturi utilizou toda a experiência que tem na pista para evitar perder o posto. Na volta seguinte, também pegou a velocidade extra.

 
Vergne e Wehrlein começavam a abrir um tanto no ritmo de corrida, mas o alemão cometeu um erro no contorno da Sainte Dévote, passou direto e viu tanto Oliver Rowland quando Massa passarem - o que atrapalhou bastante a vida de Buemi. Imediatamente o piloto da Venturi acionou o modo ataque e saiu atrás de capturar uma recuperação. 

O FanBoost foi definido para os cinco mais votados: Stoffel Vandoorne, Daniel Abt, José María López, António Félix da Costa e Buemi.
 
A dupla brasileira tentava atacar. Massa se aproximava de Rowland, ao passo que Lucas Di Grassi, ainda no 11º lugar, acionou o modo ataque na tentativa de pegar Vandoorne. O belga, entretanto, segurou tranquilo por uma volta e também acionou o modo ataque no giro seguinte. 
 
Sobrou pedaço de carros quando Alex Lynn tentou atacar Alexander Sims e se tocaram. Quem encostou na confusão foi Sam Bird, que fez a manobra para cima de Vandoorne e conseguiu ultrapassar para tomar o nono posto. Depois disso, Di Grassi também conseguiu sacar Vandoorne da dianteira no contorno do cotovelo.

 
Bird continou na busca por posições e fez mais uma ultrapassagem, então sobre Lynn para o oitavo lugar. Robin Frijns aproveitava a queda de rendimento de Lynn e fez um mergulho arriscado e muito bonito para tirar a Jaguar da frente na Tabacaria. Mas Lynn ficou com sequelas da luta por posição: um pedaço da asa dianteira ficou pendurado arrastado no chão. Quando saiu, voou pela pista e causou um perigo real. A imagem da TV mostrou também Max Günther com um tanto de carroceria solta e passando direto na Anthony Noghes.
 
Por conta do detrito da Jaguar de Lynn, a direção de prova resolveu chamar a full-course yellow para a limpeza do traçado. No momento da relargada, Da Costa foi buscar o modo ataque para subir do sexto posto, mas Di Grassi, mais atrás, levou a pior numa disputa com Sims: foi espremido no muro e saiu com o carro muito lento. 
 
Rowland praticamente apagou o que Vergne tinha de liderança, mas o francês seguia controlando bem. Da Costa, apesar dos esforços para crescer na corrida, acabou ultrapassado por Bird - que subia de 14º para o sexto posto. Frijns ultrapassou Vandoorne e assumiu o décimo posto num bom momento da Virgin. Enquanto tudo isso acontecia, um aviso: Abt estava sob investigação por causar um acidente que tirou Oliver Turvey da corrida.


O modo de ataque final de Rowland foi acionado a sete minutos do fim, algo que Wehrlein fez igual, mas Vergne e Massa decidiram aumentar a velocidade na volta seguinte. Rowland se aproximou, mas não passou - Vergne segurou com extrema competência. Apenas Wehrlein fez algo concreto no fim: a volta mais rápida da corrida. 
 
Antes da bandeirada, um movimento derradeiro: Bird, que fazia ótima corrida de recuperação, bateu na Rascasse e jogou fora os pontos. A participação do inglês na briga pelo título agora se torna bem mais complicada. Vergne venceu e teve Rowland e Massa no pódio. Wehrlein, Buemi, Da Costa, Evans, Abt, Lotterer e Lynn encerraram o top-10.

FE, eP de Mônaco, Resultado Final:

1 J.E VERGNE DS Techeetah 51 voltas  
2 O ROWLAND Nissan +0.201  
3 F MASSA Venturi +1.261  
4 P WEHRLEIN Mahindra +1.439  
5 S BUEMI Nissan +6.215  
6 M EVANS Jaguar +16.213  
7 A LOTTERER DS Techeetah +16.848  
8 A LYNN Jaguar +18.112  
9 S VANDOORNE HWA Venturi +18.551  
10 J.M LÓPEZ Dragon Penske +18.860  
11 J D'AMBROSIO Mahindra +21.488  
12 G PAFFETT HWA Venturi +21.853  
13 A SIMS BMW +26.934  
14 T DILLMANN NIO +31.861  
15 D ABT Audi +49.400  
16 S BIRD Virgin Audi +1 volta  
17 R FRIJNS Virgin Audi +5 voltas  
18 O TURVEY NIO +18 voltas NC
19 L DI GRASSI Audi +19 voltas NC
20 E MORTARA Venturi +21 voltas NC
21 M GÜNTHER Dragon Penske +21 voltas NC
22 A FÉLIX DA COSTA BMW   DCL


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.