Villeneuve ressalta importância de gerenciamento de energia na F-E e coloca Di Grassi e Piquet entre favoritos ao título

Jacques Villeneuve vai estrear na F-E e sabe que encontrará algo bem diferente do que vivenciou nos testes que fez até agora. Entre as pistas estreitas das ruas do mundo, Villeneuve vê e.dams, Audi ABT e Nelsinho Piquet como rivais mais fortes

Jacques Villeneuve está chegando na F-E agora e ainda vai se acostumando com o formato com o qual tudo funciona nos monopostos elétricos. Mas o campeão mundial de F1 em 1997 já sabe do que vai precisar para ter sucesso em sua estreia na categoria: gerenciar bem a energia à sua disposição. E como rivais mais fortes, Jacques vê dois brasileiros.
 
Avaliando o que vai encontrar de ordem do grid e briga pelas primeiras posições, Villeneuve colocou Nelsinho Piquet e Lucas Di Grassi, assim como os pilotos da e.dams, Nicolas Prost e Sébastien Buemi, e o companheiro de Di Grassi, Daniel Abt.
 
"Acho que os pilotos da e.dams e da Audi ABT são muito rápidos. Vejo esses dois times como tendo os trens de força mais eficientes do grid. De qualquer forma, vimos que eles também tiveram alguns problemas de confiabilidade durante os testes. Nelsinho Piquet é o atual campeão, então ele vai ser um rival firme esse ano. Guiou muito bem ano passado e foi particularmente bom em termos de gerenciamento de energia", avaliou em entrevista ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
Jacques Villeneuve (Foto: F-E)
Para o canadense, a questão do gerenciamento de energia vai ser crítico na segunda temporada da F-E.
 
"É um problema do piloto controlar a energia do carro enquanto guiando. É uma medição muito precisa, e o piloto tem de trabalhar duro para controlar o consumo de energia. Não é algo que acontece automaticamente. O time vê o quão bem estamos indo, o mesmo para nós atrás dos volantes. É bem simples fazer o cálculo", garantiu o piloto.
 
Perguntado sobre onde a Venturi está na briga pelo título, Jacques analisou que é impossível dizer agora. Apesar dos testes em Donington Park, ainda é um mistério. Ele explicou isso pelo fato do circuito inglês onde a F-E promove sua pré-temporada ser bastante diferente das pistas de rua por onde os carros elétricos passam.
 
"É quase impossível fazer previsões, primeiro porque nós não usamos as mesmas baterias durante esse teste. Só metade das baterias estavam prontas para entregar 170 kw. Ainda estávamos a 150 kw para simulação de corrida", contou.
 
"Em segundo lugar, o teste foi feito numa pista que não é similar às pistas típicas da F-E. Pudemos trabalhar nas seções mais lentas da pista, como o hairpin e a chicane, e foi isso que fizemos. Não trabalhamos em sermos rápidos nas curvas da pista, então raramente estávamos andando em velocidade máxima em cada volta. Seria inútil", seguiu Jacques.
Hora da estreia (Foto: F-E)
"Donington é relativamente uma pista bem rápida, feita de curvas rápidas e retas longas, não representa muito as pistas temporárias e de rua típicas da F-E, que são bem lentas, irregulares, estreitas e cercadas de muros de concretos", contou.
 
"Então alguns carros foram muito rápidos, mas nesse circuito específico. É muito difícil ver onde estamos realmente. Creio que ao fim do teste éramos muito bons em termos gerenciamento de energia. Não tentamos marcar a volta mais rápida possível, então para mim é difícil de dizer", afirmou.
 
Sobre a possibilidade real da F-E ir a Montreal, Jacques se mostrou animado. Sabe-se que há discussões entre a Formula E Holdings e a cidade canadense, mas ainda não está claro se uma corrida por lá pode acontecer nesta ou na próxima temporada.
 
"Uma corrida da F-E em Montreal seria fantástico. Não sei onde os planos estão nesse momento, mas sempre há uma atmosfera muito boa na cidade, além de pessoas que amam o automobilismo. Então seria incrível", encerrou.
 
A F-E começa no próximo sábado (24), e o GRANDE PRÊMIO acompanha em detalhes. Acompanhe também o Guia F-E 2015/16.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube