Indy
15/08/2018 14:00

Alonso disputa temporada 2019 na Indy pela Harding com aliança entre Andretti, McLaren e Chevrolet

Um dia após o anúncio da saída da F1 ao fim de 2018, o GRANDE PRÊMIO apurou que Fernando Alonso vai mesmo correr na Indy na próxima temporada naquela que será a equipe B da Andretti e um motor que não poderia ser o Honda – com operação da McLaren
Warm Up / VICTOR MARTINS, de São Paulo
 Fernando Alonso (Foto: Steven Tee/McLaren)
 ASSISTA: os detalhes da ida de Alonso para a Indy 

O destino de Fernando Alonso no automobilismo em 2019 é mesmo a Indy numa aliança que envolve múltiplas partes. O espanhol vai fazer a temporada toda do ano que vem pela equipe Harding, em um apoio que envolve a Andretti, a McLaren e a Chevrolet, pode confirmar o GRANDE PRÊMIO segundo fontes familiares à negociação.

A esperada porém chocante confirmação da saída de Alonso da Fórmula 1 denotava um óbvio cansaço de uma categoria que não mais poderia lhe entregar títulos, vitórias e alegrias. A McLaren que, de certa forma, ajudou a enterrar a pá de cal também foi a responsável pelo fôlego: em 2017, através das mãos de Zak Brown – Ron Dennis nunca permitiria isso –, o espanhol foi experimentar o que era correr uma Indy 500 pelas mãos de Michael Andretti. Não só adorou; amou de verdade – apesar de o motor Honda, seu algoz, ter lhe deixado de novo na mão.
Fernando Alonso durante treino para a Indy 500 2017 (Foto: IndyCar)
Alonso saiu de lá dizendo que um dia voltaria para amigos próximos e para o mundo. Assim que tornou a seu habitat natural, no GP do Canadá, teve um desempenho tão ruim que chegou a dar de ombros para o que acontecia na F1 e quis participar ao vivo da transmissão do GP do Texas da Indy. O resto da temporada foi arrastado, e Alonso só resolveu seguir mais um ano na equipe porque o casamento com a montadora japonesa foi desfeito.
 
2018, então, era o tudo ou nada. E quando sentiu que o motor Renault não lhe permitiria sequer brigar por pontos corriqueiramente, que diria por pódios, Alonso sentiu que era a hora de partir. O discurso de que decidiria nas férias seu destino era balela. Chase Carey e quem quer que fosse do Liberty Media jamais o convenceria a permanecer. Mas a McLaren tem lá seu poder de sedução. E se não serve a Alonso na F1, tende a servi-lo bem na Indy.
 
O plano começou a ser minuciosamente desenhado por Andretti pensando em um ponto: Honda e McLaren-Alonso não podiam mais combinar diante do divórcio na F1. E se Michael é exímio chefe de equipe e formador de alianças, sabia onde bater para começar a execução de tudo: o amigo Mike Harding.
Gabby Chaves, piloto da Harding (Foto: IndyCar)
A Harding nasceu em 2017 e, quietinha, foi ampliando sua presença na Indy. Se teve aparições esporádicas na temporada passada, conseguiu colocar um carro, o #88, na deste ano. O colombiano Gabby Chaves guiou boa parte das primeiras provas, o norte-americano Conor Daly fez algumas recentemente e, provavelmente, o canadense Zachary Claman DeMelo sente naquele assento para um par de corridas até o campeonato acabar. Sem aparecer muito nas pistas, Andretti e Harding foram atuantes nos bastidores: reuniram a direção da Indy e a Chevrolet, a outra montadora do campeonato, para conversas e negociações.
 
Com todas as partes interessadas, o resultado final culminou na formação de uma aliança que, na prática, faz da Harding uma equipe B da Andretti com forte aporte da Chevrolet. A McLaren vai estar por trás de toda a operação.
 
Haverá um segundo carro para a equipe – que, a princípio, não vai ser nem de Chaves, nem de Daly, tampouco de Claman DeMelo. Colton Herta é o favorito – o pai deste, Bryan, opera o carro #98 onde agora corre o filho de Andretti, Marco. Corre por fora Patricio O’Ward, o Pato, igualmente destaque na Indy Lights, com boa grana vinda do México.

O GRANDE PRÊMIO entrou em contato com a Harding, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.