Confiante, Villeneuve faz molde de banco na Schmidt Peterson: “É o próximo passo rumo à Indy”

Canadense, que retorna à Indy após 18 anos para participar das 500 Milhas de Indianápolis, já fez o molde do banco e do cockpit para a disputa da prova, em maio. “As velocidades são semelhantes às de duas décadas atrás, e há menos potência", explicou

 
Jacques Villeneuve está de volta à Indy. Aos 43 anos e longe dos monopostos desde 2006, o canadense esteve na sede da Schmidt Peterson nesta sexta-feira (21) para fazer o molde do banco e do cockpit do carro que utilizará nas 500 Milhas de Indianápolis, em maio.
 
Animado com o retorno, o veterano piloto – que utilizará o #5 em seu carro, já que o tradicional #27 pertence à Andretti e é usado por James Hinchcliffe – participará de um curso de reciclagem no próprio Indianapolis Motor Speedway, no fim do mês de abril.
 
“É realmente empolgante. Este é o próximo passo rumo à Indy. É bom estar sentado em um monoposto novamente”, afirmou Villeneuve após os trabalhos na SMP.
Jacques Villeneuve faz molde de banco em carro da Schmidt Peterson (Foto: IndyCar)

O canadense terá de conciliar as atividades para a Indy 500 com o Rallycross, categoria na qual irá oficialmente competir neste ano. Entre o curso de reciclagem no fim de abril e os treinos livres para a prova, nos dias 11 e 12 de maio, Jacques disputará a etapa de abertura da temporada da competição, em Montalegre (Portugal), nos dias 3 e 4 de maio.
 
“Quando a gente tem muita coisa para fazer, não há muito tempo para pensar, o que provavelmente é bom”, considerou. “Não terei muito tempo para me preparar com eu gostaria, mas este ainda é um monoposto com aerofólios.”
 
“As velocidades são semelhantes às de duas décadas atrás, e há um pouco menos de potência, o que significa que há mais aderência mecânica e um pouco menos de aderência aerodinâmica”, argumentou Villeneuve, que deixou a Indy em 1996. “A aderência mecânica é mais fácil de conduzir do que a aerodinâmica, então não estou muito preocupado.”
 
“[A Schmidt Peterson] É uma boa equipe, o carro deve ser bastante estável”, acrescentou.
 
Por fim, o filho de Gilles Villeneuve, afeito a sentimentalismos exagerados, não escondeu o impacto que o retorno à categoria está lhe causando. “É muito difícil para um piloto explicar com palavras o que ele realmente está fazendo e sentindo, então isso pode deixar tudo confuso. Ninguém pode ilustrar isso a não ser você mesmo”, encerrou.
 
Villeneuve andou pela última vez em Indianápolis em 2010, quando corria pela Nascar. Ele, Mario Andretti e Emerson Fittipaldi são os únicos na história a vencer as 500 Milhas de Indianápolis, o campeonato da Indy e o título mundial de F1.

Jacques Villeneuve faz molde de banco em carro da Schmidt Peterson (Foto: IndyCar)

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube