Fora da F1 após experiência frustrada na Sauber, Simona trabalha para voltar à Indy em 2015: “É meu futuro”

Simona de Silvestro parece ter desapegado da ideia de guiar na F1 após uma passagem como pilota afiliada da Sauber em 2014. Para 2015, a suíça deseja voltar à Indy, categoria que deixou Simona mundialmente reconhecida

A passagem de Simona de Silvestro pareceu certa em determinado momento de 2014, mas agora dá a impressão de ter sido apenas um vislumbre de momento. A Indy, sim, é algo que encanta a versão 2015 da pilota suíça. E ela quer voltar à categoria que a revelou já neste ano.
 
Após a situação com a Sauber, que a ajudava a tirar a superlicença ser deixada de lado por problemas com a entrada do dinheiro do patrocínio de Simona para uma mais do que necessitada equipe conterrânea, De Silvestro agora afirma que a Indy é "seu futuro".
 
"As coisas estão indo na direção certa, mas nada ainda está certo. Estamos trabalhando em achar patrocínio para fazer acontecer. Esse é nosso foco, e tem muita conversa nesse momento. Ainda não há coisa para anunciar, mas estamos tentando resolver", disse à revista 'Racer'.
Mesmo em teteste com a F1 a Indy não saiu de Simona de Silvestro (Foto: Sauber)
"É a meta. Para que eu volte à Indy quero me restabelecer, trabalhar para o futuro, e não uma temporada para depois começar do zero de novo. A Indy é meu futuro, quero ser competitiva, me colocar na melhor posição possível. Ainda faltam alguns assentos, mesmo que não muito, mas estou trabalhando para achar patrocínios e a melhor situação possível", encerrou a pilota.
 
Em 65 corridas da Indy entre 2010 e 2013, Simona teve o segundo lugar no GP de Houston em 2013 como sua melhor colocação, então guiando pela KV.
 
Com o cancelamento da abertura da temporada 2015, na prova que seria em Brasília, a suíça deve ter mais algum tempo para encontrar uma casa na categoria. A primeira prova do ano é em São Petersburgo em 29 de março.
OS 10+ DA PRIMEIRA SEMANA

Por quatro dias, oito equipes marcaram presença no circuito de Jerez, na Espanha, para os primeiros testes da pré-temporada. Naturalmente, a curiosidade para se acompanhar as atividades na pista andaluz era grande, e também há diversos pontos a se destacar após essa primeira bateria de treinos coletivos. A liderança da Ferrari, o dia em que o brasileiro Felipe Nasr foi o mais rápido, os problemas da McLaren e a pintura da Red Bull foram alguns dos aspectos que chamaram a atenção. 

Leia a matéria completa no GRANDE PRÊMIO.

O SOM AO REDOR
Tempos mais baixos, menos problemas e mais barulho. Dá para resumir assim, do ponto de vista dos motores V6 turbo, a semana de testes da F1 em Jerez de la Frontera, abrindo a pré-temporada de 2015. Introduzidas em 2014, essas unidades de força que atrelam sistemas híbridos ao motor de combustão interna vêm recebendo muitas críticas desde o princípio desta nova era.
 
Há cabos eleitorais fortes que pedem a mudança do regulamento — a alternativa mais defendida neste momento é a adoção de propulsores com 1000 cavalos de potência. Mas é incontestável como, com o passar do tempo, nota-se uma evolução.

Leia a matéria especial do CONTA-GIRO desta semana no GRANDE PRÊMIO. 

FORA DE NOVO
O momento da Force India não é bom. Após perder a primeira bateria de testes em Jerez, o time indiano está fora da segunda sessão de treinos coletivos, que acontece em Barcelona e corre o risco de perder a terceira também. A confirmação veio nesta sexta-feira (6) por meio do chefe-adjunto do time Bob Fernley à BBC, que citou a falência de Marussia e Caterham e a demora para assinar contrato para ter o túnel de vento da Toyota como principais fatores para o atraso na produção do VJM08.
 
Fernley garantiu que não há a menor possibilidade do VJM08 estar pronto para a segunda bateria de testes, agora em Barcelona, mas explicou que a intenção do time é ter o novo carro pronto para a última sessão de testes. 

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube