Indy

Kanaan traça paralelo com tempos de KV e coloca vitória na Indy 500 com Foyt como “foco realista”

Com 44 anos e perto de competir na Indy 500 pela 17ª vez, Tony Kanaan falou sobre a nova realidade que vive na Foyt e a busca em manter a motivação do time dentro de seus limites. O brasileiro também contou sobre o foco total da equipe na prova que acontece no dia 26 de maio, reconhecendo que é o que dá para alcançar no campeonato

Grande Prêmio / Redação GP, de Campinas
Aos 44 anos, Tony Kanaan irá disputar pela 17ª vez a Indy 500. O veterano brasileiro está em sua segunda temporada pela Foyt, uma equipe menor e menos competitiva que as gigantes Ganassi e Andretti, equipe pela qual conquistou o título da Indy, em 2004.

Em uma nova fase da carreira, ajudando no crescimento da Foyt, Kanaan abriu o jogo sobre como tem lidado com o novo time. Segundo o veterano, é necessário entender a nova realidade, o que ajuda a manter o time motivado. "Chega o fim de semana da corrida e você tem que entender suas limitações, essa é a coisa mais difícil de fazer. Estou em constante avaliação. Estou exigindo muito destes caras? Isso aqui é a nossa realidade? Você tem de viver a sua realidade", declarou.
 
"Você precisa motivar as pessoas a fazerem direito, mesmo quando você tem um carro que vai terminar em 15º. Meu objetivo a cada fim de semana e a cada prova é perguntar: 'Qual a nossa realidade?' Sim, você pode ser sortudo na corrida quando dois caras batem e você termina no pódio, mas esta é a nossa realidade? Somos gananciosos, estamos tentando melhorar, mas você precisa ser realista. Caso contrário, as pessoas não estarão motivadas, citou.
A comemoração de Tony Kanaan com a KV em 2013 (Foto: IndyCar)
Prestes a competir em mais uma edição da Indy 500, Kanaan relembrou a vitória de 2013, quando corrida pela KV. O piloto explicou que a equipe não tinha a mesma força de Andretti, Ganassi e Penske, mas o foco total na prova mais importante do automobilismo americano foi fundamental para a vitória, e espera um cenário semelhante em 2019.
 
"Quando eu entrei na KV, nós dissemos: 'Sabe o máximo que podemos fazer? É vencer as 500'. Para o meu chefe (Foyt), é tudo o que importa. Ele é um cara que morou lá. Posso não completar nenhuma corrida neste ano, mas, se vencermos a Indy 500, será o suficiente para ele", comentou
 
"Nós estamos conscientes de que não estamos em posição para brigar pelo título. Seremos bem realistas, não vamos dar desculpas. Então, vamos focar na Indy 500. Tivemos um ótimo carro no ano passado, fomos os mais rápidos no segundo dia da classificação. Então, este é o foco novamente", finalizou.

A 103ª edição da Indy 500 acontece no dia 26, o tradicional último domingo de maio.